BNB contrata R$ 50 milhões em projetos de energia solar para pessoa física

Operações foram financiadas de janeiro a junho deste ano com valor médio de R$ 29,5 mil

Imagens de placas de energia solar fotovoltaica
Legenda: O Ceará tem, em média, 2.800 horas de sol por ano
Foto: Divulgação

Nos seis primeiros meses de 2020, o Banco do Nordeste contratou R$ 50 milhões em projetos de energia solar para pessoa física, totalizando 1,687 operações de crédito. Realizadas com recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) e chamado de FNE Sol Pessoa Física, as contratações alcançaram valor médio de R$ 29,5 mil por operação.

 O programa financia todos os componentes e instalação dos sistemas de micro e minigeração de energia elétrica fotovoltaica para fins residenciais com prazo de 8 anos para pagamento e carência de até 6 meses. Com isso, o cliente troca uma conta mensal de energia elétrica por um investimento de médio ou longo prazo que possibilitará a geração da própria energia para consumo.

Ceará
No Ceará, o Banco do Nordeste aplicou R$ 6,1 milhões no Programa FNE Sol Pessoa Física, referente a 199 operações. Rafael Franco Bezerra, foi um dos que aderiu ao pPrograma de financiamento. Contratado em 11 de abril de 2020, o finaciamento foi destinado à aquisição de 36 unidades de módulo de 330wp, estruturação de fixação, de nove unidades de microinversor e de serviço de instalação. 

O crédito concedido a Rafael, no âmbito do FNE Sol, obedece aos conceitos modernos de sustentabilidade, gerando energia limpa a partir de um elemento da natureza do qual o Nordeste se beneficia largamente. O Ceará tem, em média, 2.800 horas de sol por ano.

Com a instalação de um sistema próprio de energia, o cliente se beneficia do sistema de compensação de energia elétrica, onde a energia injetada pela unidade consumidora com microgeração ou mini geração distribuída é cedida, por intermédio de empréstimo gratuito, à distribuidora local e posteriormente compensada com o consumo de energia elétrica ativa.

Esse sistema de "troca" permite, no caso de a energia injetada na rede ser superior à consumida, criar um "crédito de energia" que não pode ser revertido em dinheiro, devendo ser utilizado para abater o consumo da unidade consumidora nos meses seguintes ou mesmo em outras unidades da mesma titularidade, desde que todas unidades estejam na mesma área de concessão, com validade de 60 meses.
 

 


Assuntos Relacionados