Alta estação impulsiona vendas no Mercado Central

Ponto turístico de compras, local deve ter melhora ainda maior no fim de junho, assim como a Emcetur

Castanha, doces de caju, redes de dormir, rendas e bordados, artesanatos de madeira e lembrancinhas com frases alusivas ao Ceará. Objetos de desejo que são típicos da terra alencarina e conquistam os olhos e o bolso dos visitantes em férias no Estado. A alta estação impulsiona as vendas desses setores, chegando a dobrar o faturamento de estabelecimentos localizados no Mercado Central e na Emcetur (Centro de Turismo do Ceará) - pontos que são considerados indispensáveis no roteiro turístico fortalezense.


Vir ao Ceará e não levar produtos típicos daqui é impensado pelos turistas FOTO: KELLY FREITAS

A expectativa de artesãos e lojistas dos dois estabelecimentos é de que haja uma ampliação de aproximadamente 10%, em média, no fluxo de turistas e nas vendas de produtos, durante esta segunda quinzena do mês de julho, considerado um período de pico da alta estação de meio de ano por aqui.

Segundo melhor

De acordo com o vice-presidente da Associação dos Lojistas do Mercado Central, João Eudes de Oliveira - mais conhecido por "João das Castanhas", considerando todo o mês de julho, o faturamento só não será melhor em relação às vendas de dezembro e janeiro.

"Por enquanto, as vendas se encontram no patamar de igual período do ano passado. Porém não dá para comparar com as férias de fim e início de ano, época em que os turistas gastam muito mais, possivelmente por causa do adicional do 13º salário que recebem", pondera.

Otimismo

Permissionário do Mercado Central há 28 anos, seu João das Castanhas está otimista em relação a última metade do mês.

"Todos os anos esperamos pelas últimas duas semanas para dar uma melhorada nas vendas na faixa de 10% face às duas semanas anteriores", observa o comerciante.

Os turistas que têm visitado o lugar nesse mês são prioritariamente provenientes do Sul, Sudeste e Norte do País, segundo o vice-presidente do Mercado Central. "Apenas alguns são de outros estados do Nordeste. Já o público cearense é muito pequeno", observa.

Vedete

Dentre os produtos mais vendidos no Mercado Central, o carro-chefe é a castanha, seguida dos doces de caju, redes, artesanatos de madeira, cama e mesa em bordados e rendas, além das camisas de malha com o texto ´Lembrança de Fortaleza´ e também pequenas ´lembrancinhas´, como tradicionais chaveiros e imãs de geladeira que remetem às belezas da Capital cearense.

Na Emcetur, vários ônibus com grupos de turistas não param de estacionar, à procura desses produtos. "Eles chegam em grupos organizados e vão logo se apaixonando por todo tipo de artesanato que nós temos. De cama, mesa e banho até a confecção, tudo eles gostam e compram", afirma Laerte Fernandes, administrador de patrimônio da Emcetur.

Ampliação

No comparativo com as duas primeiras semanas de julho, ele diz que expectativa para esta segunda metade do mês é ampliar de 15% a 30% o fluxo turístico no estabelecimento.

Comparativamente a 2011, Fernandes garante que o movimento de visitantes está semelhantes ao ano passado, considerado um ano bom, de acordo com ele, para os 105 permissionários da Emcetur.

Monsenhor Tabosa já tem incremento

Na Avenida Monsenhor Tabosa as vendas já cresceram mais de 20% em relação ao ano passado para o setor de moda praia, carro-chefe do corredor turístico, que espera fechar o mês com faturamento mais de 30% superior a julho de 2011 - considerada uma temporada fraca para o comércio da Avenida. Mas a performance poderia ser melhor, a visível redução no número de turistas estrangeiros devido ao cenário de crise mundial.


Em algumas lojas de moda praia, as vendas já apresentam um avanço da ordem de 20% com relação a igual período do ano passado, mas a expectativa é alcançar uma expansão de 30% até o fim das férias FOTO: KELLY FREITAS

"Em julho, dezembro e janeiro, as vendas aquecem muito para os lojistas da Avenida em contraponto aos meses de fevereiro a maio, que normalmente são cruéis e esse ano foram bem mais difíceis. Agora na primeira quinzena de julho já tivemos uma melhora considerável e a tendência é que as vendam cresçam ainda mais nessas duas última semanas", estima Antônio Cruz Gonçalves, presidente da Associação dos Lojistas da Monsenhor Tabosa (Almont).

Segundo ele, anualmente, o incremento do faturamento, em julho fica em torno de 25% a 30% face ao ano anterior. Este ano, porém, "devido a turbulência do mercado mundial", o desempenho do mês no ano passado não deve ser superado em 2012 na mesma proporção dos anos anteriores. No geral, considerando todos os setores de produtos comercializados na Avenida, ele acredita que as vendas devem ficar no mesmo nível de julho de 2011.

Em relação aos segmentos de destaque, ele confirma a repetição da tendência verificada em outros anos. "Sempre o setor de confecção é o que mais vende, sendo que os produtos de moda praia são os mais procurados. Em segundo lugar, o segmento que mais se destaca na Monsenhor Tabosa é o de bolsas e calçados", afirma.

Moda praia

Na loja All Day, especializada na venda de artigos moda praia, o incremento já é 20% maior em comparação a julho do ano passado. "As vendas no nosso segmento melhoraram desde o dia 25 de junho, enquanto em 2011 só começamos a ver movimento em torno do dia 10 de julho", lembra a sócia-proprietária Marcia Oliveira.

Segundo a empresária, a clientela preponderante nessas férias é de turistas brasileiros, principalmente originários das regiões Norte e Nordeste do País. "Devido a crise, o fluxo de turistas estrangeiros tem sido pouquíssimo neste mês de julho. Já o turismo nacional está em alta", reforça. Apesar da retração no movimento de visitantes internacionais, o setor espera terminar as férias com elevação de 30%, em média, face a igual período do ano anterior. "Tranquilamente vamos fechar julho com essa faixa de incremento sobre o ano passado. Acredito até que iremos superar esse crescimento, já que 2011 é uma base muito fraca", completa. (AC)

Faturamento

30% é o crescimento aguardado pelos lojistas da Avenida Monsenhor Tabosa durante estas férias, na comparação com o mês de julho de 2011

ÂNGELÂNGELA CAVALCANTE
REPÓRTER
Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios