Vikings eram menos brancos e louros do que se acreditava

Comércio e escravidão determinaram mistura genética na Escandinávia, aponta especialista

Legenda: Esqueleto de uma mulher chamada de Kata é encontrado em um cemitério viking em Varnhem, na Suécia
Foto: Museu Vastergotlands

Os vikings eram muito menos brancos e louros do que se acreditava, de acordo com estudos de pesquisadores da Universidade de Copenhague, que descobriram que a herança genética, a cor da pele e o cabelo dos lendários guerreiros nórdicos eram surpreendentemente variados. 

>Origem do cearense: nórdicos superam índios e negros na genética

"Os indivíduos da era Viking não eram todos escandinavos do ponto de vista genético", disse Ashot Margaryan, professor da Universidade de Copenhague, um dos co-autores do estudo publicado na revista científica Nature.

"A Escandinávia viking tinha mais pessoas de cabelos escuros do que a Escandinávia contemporânea" por causa das relações com o sul e o leste da Europa, explicou este especialista, embora os louros fossem maioria. 

Os pesquisadores sequenciaram o genoma de 442 fragmentos de ossos da era Viking - entre os séculos VIII e XII - de toda a Europa. 

Os especialistas determinaram que uma mistura genética significativa ocorreu naquela época no sul da Escandinávia, certamente graças ao comércio, mas também à escravidão, observou o pesquisador.

De acordo com o estudo, que confirma o consenso histórico sobre o assunto, os ancestrais dos noruegueses navegaram principalmente para a Irlanda, Islândia e Groenlândia, enquanto os antecessores dos atuais suecos viajaram para os países bálticos, e os dinamarqueses da época, para a Escócia e Inglaterra.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo