Trump volta a culpar China e reitera que Brasil vive 'situação terrível' com Covid-19

Presidente americano criticou a cobertura da imprensa à pandemia e ressaltou avanços em vacinas e tratamentos para combater a doença

fotografia de Donald Trump
Legenda: Donald Trump, presidente dos Estados Unidos
Foto: AFP

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reiterou nesta segunda-feira, 20, que o Brasil vive uma "situação terrível" pela Covid-19 e voltou a culpar os chineses pela pandemia. "É um problema global, ainda que causado pela China", disse a repórteres no Salão Oval, seu gabinete na Casa Branca.

A menção ao Brasil veio durante críticas de Trump à cobertura da imprensa americana sobre a pandemia. "No fim de semana, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o mundo atingiu recorde de casos de coronavírus. E só se fala dos EUA, como se o problema não fosse mundial. Veja o Brasil, que situação terrível. Veja o México", argumentou o republicano.

Não é a primeira vez que o presidente americano cita o avanço da Covid-19 no País.

Donald Trump ainda ressaltou que os avanços recentes em estudos de vacinas e tratamentos contra o novo coronavírus, comentando especificamente sobre a utilização de remdesivir em pacientes já infectados.

Dessa vez, ele não mencionou hidroxicloroquina, medicamento que fez uso de forma preventiva, por mais que não haja comprovação científica de sua eficácia.

O líder da Casa Branca ainda informou que seu governo passará a conceder coletivas sobre o desenvolvimento de vacinas contra a Covid-19. Nesta segunda-feira, AstraZeneca e Pfizer relataram avanços importantes em seus estudos de uma profilaxia à doença.

Além de reforçar críticas à China, em meio à escalada de tensões entre os dois países, Trump afirmou aos repórteres presentes que Estados governados pelo Partido Democrata lidaram pior com a pandemia. "Olhe Nova York", disparou.

O Estado, governado por Andrew Cuomo, registra o maior número de mortes e casos pela doença. As falas de Trump, no entanto, vêm em ano de eleições presidenciais, para as quais seu principal rival, o democrata Joe Biden, é favorito nas pesquisas de intenção de voto.

Economia

O presidente dos Estados Unidos também voltou a defender cortes de impostos em folhas de pagamento como forma de estimular a atividade no país, golpeada pela crise.

No Congresso, parlamentares começaram nesta segunda-feira a discutir um quinto pacote fiscal.

Você tem interesse em receber mais conteúdo internacional?