Rebeldes huthis libertam 290 prisioneiros no Iêmen

O emissário da ONU para o Iêmen, Martin Griffiths, elogiou a iniciativa dos rebeldes, no âmbito de um acordo na Suécia, de dezembro de 2018, e apelou a "todas as partes para garantir o retorno dos detidos libertados em segurança para suas casas"

Os rebeldes xiitas huthis do Iêmen libertaram 290 prisioneiros nesta segunda-feira, incluindo 42 que sobreviveram a um ataque aéreo liderado pela Arábia Saudita contra um centro de detenção, informou o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) em um comunicado. 

O emissário da ONU para o Iêmen, Martin Griffiths, elogiou a iniciativa dos rebeldes, no âmbito de um acordo na Suécia, de dezembro de 2018, e apelou a "todas as partes para garantir o retorno dos detidos libertados em segurança para suas casas". "Espero que esta etapa leve a novas iniciativas que facilitem o intercâmbio de todos os prisioneiros... com o acordo da Suécia", acrescentou. 

Os insurgentes disseram no domingo que capturaram mais de mil combatentes das forças pró-governo, durante uma grande ofensiva em agosto em seu reduto em Saada (norte), mas estes não fazem parte dos prisioneiros libertados na segunda-feira. Em seu comunicado, o CICV elogiou o passo positivo que relançará a aplicação do acordo na Suécia. 

Este acordo, patrocinado pela ONU, diz respeito à trégua em Hodeida, uma cidade portuária estratégica no oeste do Iêmen, bem como o intercâmbio de prisioneiros e medidas de redução da escalada na cidade de Taez (sudoeste).

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo