Protestos em Hong Kong continuam apesar de esforços para reduzir tensões

Os manifestantes não ficaram satisfeitos com a resposta de Lam aos protestos, que começaram como resposta a uma proposta de lei de extradição que permitiria que pessoas em Hong Kong fossem julgadas sob o sistema legal mais opaco da China

Legenda: Protestos nas últimas semanas parecem menores do que as manifestações de massa que ocorreram mais cedo este ano, mas também se tornaram mais violentos
Foto: AFP

Manifestantes atearam fogo e a polícia usou gás lacrimogêneo enquanto dezenas de milhares de pessoas participaram de marcha em Hong Kong neste domingo, mostrando que uma série de medidas recentes do governo não acalmou meses de agitação na cidade.

A líder de Hong Kong, Carrie Lam, disse na quarta-feira que melhoraria a oferta de residências de baixo custo, ofereceria assistência para hipotecas a quem compra a primeira casa, e aumentaria subsídios às tarifas de transporte de massa. Tudo isso na tentativa de diminuir o ímpeto do movimento de protesto. Essas tentativas vieram após outras medidas, mais duras, como utilizar lei de emergência para banir máscaras em protestos e uma decisão da operadora de metrôs para encerrar o serviço dos trens mais cedo.

Os manifestantes que compareceram à marcha de domingo disseram que não ficaram satisfeitos com a resposta de Lam aos protestos, que começaram como resposta a uma proposta de lei de extradição que permitiria que pessoas em Hong Kong fossem julgadas sob o sistema legal mais opaco da China. Embora o governo tenha prometido retirar a proposta, os protestos se ampliaram para pedidos de reforma democrática, um inquérito independente sobre conduta policial e anistia para manifestantes presos.

Protestos nas últimas semanas parecem menores do que as manifestações de massa que ocorreram mais cedo este ano, mas também se tornaram mais violentos. Alguns manifestantes atiraram coquetéis molotov e tijolos contra a polícia, quebraram lojas vistas como pró-Pequim e vandalizaram estações de metrô.

A marcha deste domingo começou pacificamente. No entanto, alguns manifestantes vandalizaram e atearam fogo numa estação policial. Policiais responderam com gás lacrimogêneo. Mais tarde, um caminhão policial atirou canhões de água em uma grande avenida.

A polícia afirmou neste domingo que manifestantes também atiraram coquetéis molotov em diversas estações de metrô e invadiram bancos. Lojas e locais públicos também tiveram prejuízos, de acordo com a polícia. No início da semana, a polícia se recusou a aprovar as marchas deste domingo.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo