Pobreza extrema atinge o menor nível

Washington. O número de pessoas que vive em pobreza extrema, com menos de US$ 1,9 (menos de R$ 8) por dia, caiu de 804 milhões em 2013 para 736 milhões em 2015, o que ainda equivale a 10% da população global, informou ontem o Banco Mundial. "Nos últimos 25 anos, mais de 1 bilhão de pessoas saíram da extrema pobreza. A taxa de pobreza global é agora a mais baixa que temos registro. Esta é uma das maiores conquistas humanas de nossos tempos", disse o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim.

Por regiões, a África Subsaariana segue concentrando as maiores taxas de pobreza extrema, com 413 milhões de pessoas, o que representa 41% da população na região. Na sequência, vem o Sudeste da Ásia, com 12%, o equivalente a 216 milhões de pessoas. Na América Latina e no Caribe, o número também caiu: de 28 milhões de pessoas (4,6%) em 2013 para 26 milhões em 2015 (4,1%).

O relatório do Banco Mundial alerta, no entanto, que o ritmo da queda nos níveis de pobreza global diminuiu nos últimos anos. Entre 1990 e 2015, a taxa de pobreza registrou queda de pelo menos um ponto percentual por ano.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo