Pandemia de Covid-19 está longe de terminar, diz OMS

Diretor da OMS reiterou pedido aos governos de que sejam feitos testes, rastreamentos; necessidade do isolamento social também foi destacado

Fotografia do diretor-geral da OMS
Legenda: Tedros Adhanom, diretor-geral da OMS
Foto: Fabrice Coffrini/AFP

A pandemia de Covid-19, relatada pela primeira vez há seis meses na China, está longe de ter terminado e "inclusive está acelerando", alertou a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta segunda-feira (29).

"Todos queremos que isso termine. Todos queremos seguir com nossas vidas. Mas a dura realidade é que estamos longe do fim", disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em uma coletiva de imprensa virtual.

> Dexametasona a pacientes graves 'salva vidas', diz OMS

"Amanhã, seis meses terão se passado desde que a OMS recebeu os primeiros relatos sobre um grupo de casos de pneumonia de origem desconhecida na China. Há seis meses, nenhum de nós imaginaria como nosso mundo e nossas vidas seriam prejudicados", acrescentou.

Desde que a China anunciou oficialmente em dezembro a aparição da doença, o novo coronavírus provocou a morte de mais de 500.000 pessoas no mundo e mais de 10 milhões de casos foram registrados, dos quais quase metade é considerada recuperada.

"Já perdemos muitas coisas, mas não podemos perder a esperança", enfatizou.

O chefe da OMS observou que uma vacina será uma "ferramenta importante" para controlar o vírus a longo prazo, mas pediu aos governos que "façam testes, rastreamentos, isolem e coloquem os casos em quarentena", e à população que respeite as medidas de higiene, use máscara quando necessário e respeite as regras de distância física.