Mundo supera 40 milhões de contágios por coronavírus e Europa adota nova restrições

A pandemia já causou mais de 1,1 milhão de óbitos

foto
Foto: Sajjad HUSSAIN / AFP

O mundo superou 40 milhões de contágios por coronavírus nesta segunda-feira (19) e na Europa, que registra mais de 250.000 mortes e onde a segunda onda de infecções não cede, entraram em vigor novas restrições, que incluem um toque de recolher noturno na Bélgica e a obrigação do uso de máscaras em locais fechados na Suíça.

> Coronavírus sobrevive na pele cinco vezes mais que a gripe, diz estudo

> "Fiquem em casa": europeus se confinam para conter pandemia

> Alemanha tem novo recorde de casos diários de Covid-19 e Merkel pede isolamento

Em todo o planeta foram contabilizados 40.000.234 contágios desde o início da pandemia, segundo um balanço da AFP atualizado na manhã de segunda-feira. Nos últimos sete dias, 2,5 milhões de casos adicionais foram registrados, o maior número semanal desde o início da pandemia.

Mais da metade dos casos foram registrados nos Estados Unidos (8.154.935), na Índia (7.550.273) e no Brasil (5.235.344). 

A pandemia provocou mais de 1,1 milhão de mortes. Somente na semana passada, a Europa registrou mais de 8.000 óbitos provocados pela covid-19.

"Não podemos perder tempo"

A partir desta segunda-feira, os cafés e restaurantes da Bélgica permanecerão fechados durante quatro semanas para tentar frear o aumento de contágios. O país, de 11,5 milhões de habitantes, tem 192.000 casos e mais de 10.000 mortes, com uma das maiores taxas de letalidade por covid-19 do planeta: 90 falecidos para cada 100.000 habitantes.

"Não nos sentimos levados em consideração e sinto uma dor no coração (...) Não aguento mais", disse Angelo Bussi, proprietário de um restaurante em Bruxelas no domingo à noite, quando recebeu os seus últimos clientes. Os fechamentos são acompanhados por um toque de recolher entre meia-noite e 5h00.

Na Suíça, até agora relativamente pouco afetada, as infecções aumentaram 146% na semana passada e a máscara será obrigatória a partir de agora em locais públicos fechados, como aeroportos ou estações ferroviárias. Novas restrições serão aplicadas, como a proibição de reuniões públicas de mais de 15 pessoas.

A Itália também anunciou restrições a partir desta segunda-feira em bares e restaurantes, atividades esportivas ou feiras populares, muito frequentes no país.

"Não podemos perder tempo", afirmou o primeiro-ministro Guiseppe Conte. 

O país parecia livre da aceleração da segunda onda de infecções, mas desde o início do mês registra uma alta importante dos contágios.

Em Varsóvia (Polônia), o grande estádio nacional de futebol será transformado em um hospital para pacientes de covid-19.

Venezuela reabre as praias

Na América Latina, a região do mundo mais afetada pelo coronavírus, com 380.000 mortes, a Bolívia organizou eleições presidenciais com relativa normalidade no domingo, assim como o México, com votações nos estados de Hidalgo (centro) e Coahuila (nordeste).

A Venezuela anunciou a reabertura das praias e hotéis, fechados para a população desde março. A partir desta segunda-feira, "no campo dos setores comerciais associados ao turismo (...) vamos flexibilizar pousadas e hotéis, praias e balneários", anunciou o presidente Nicolás Maduro.

Na Austrália, as autoridades começaram a flexibilizar o longo confinamento e permitiram que os cinco milhões de habitantes de Melbourne saíssem de suas casas durante mais de duas horas por dia pela primeira vez desde julho.

"Não estou fazendo o que é popular, estou fazendo o que é seguro, porque não queremos voltar a isto de novo", disse Daniel Andrews, primeiro-ministro do estado de Victoria, que inclui Melbourne. 

Em Israel, os cidadãos já podem se afastar por mais de um quilômetro de suas casas e os jardins de infância, praias e parques nacionais foram reabertos. 

O secretário-geral da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), Saeb Erekat, um dos palestinos mais conhecidos no exterior por ter participado em várias negociações de paz, está em condição "crítica" depois de contrair o novo coronavírus.

Recuperação da economia chinesa

Na Arábia Saudita as restrições também foram flexibilizadas e os fiéis retornaram ao local mais sagrado do islã, a Grande Mesquita de Meca, pela primeira vez em sete meses.

Na frente econômica, o crescimento da China acelerou no terceiro trimestre do ano, quando o PIB do país avançou 4,9%, de acordo com os dados oficiais publicados nesta segunda-feira. 

O país asiático é o primeiro a país a recuperar a atividade econômica, graças a um "confinamento estrito, testes de detecção em larga escala e o acompanhamento dos casos de contato", afirmou à AFP o analista Ting Lu, do banco de investimentos Nomura.

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, afirmou nesta segunda-feira que é "crucial" para a recuperação da zona do euro que o plano de estímulo europeu, dotado de 750 bilhões de euros, tenha sucesso e cumpra com os prazos previstos, para não desperdiçar uma "oportunidade histórica" de mudar as coisas.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo

Assuntos Relacionados