Maioria dos escoceses é a favor da independência, segundo pesquisa

Escoceses temiam ficar fora da União Europeia com uma eventual independência e, por isso, votaram pela permanência no Reino Unido no referendo de 2014. No entanto, o Brexit, amplamente rejeitado na Escócia, mudou as circunstâncias

Legenda: Este levantamento é motivo de satisfação para a chefe do governo semiautônomo escocês, a separatista Nicola Sturgeon, que está lutando por um segundo referendo de autodeterminação
Foto: AFP

O apoio à independência aumentou para 52% na Escócia, nível mais alto desde o referendo de 2016 sobre o Brexit, de acordo com uma pesquisa finalizada pouco antes do Reino Unido deixar a União Europeia e publicada na noite de segunda-feira (3).

Este levantamento é motivo de satisfação para a chefe do governo semiautônomo escocês, a separatista Nicola Sturgeon, que está lutando por um segundo referendo de autodeterminação após o fracasso do projeto secessionista em uma consulta anterior em 2014. O governo britânico de Boris Johnson se opõe fortemente a uma nova votação.

A pesquisa foi realizada pelo Panelbase Institute entre 28 e 31 de janeiro para o jornal pró-independência escocês The National. Este é o terceiro estudo nas últimas duas semanas que mostra um crescente apoio à independência.

Um dos principais argumentos a favor da permanência no Reino Unido na consulta de 2014, quando essa opção obteve 55% dos votos, foi o risco de ficar de fora da União Europeia com uma eventual independência.

No entanto, o Brexit, que foi amplamente rejeitado na Escócia, mudou as circunstâncias, segundo Sturgeon. Ele garante que, uma vez que esta nação de 5,4 milhões de habitantes localizada no norte do país seja independente, poderia reintegrar a UE.