Justiça da Espanha autoriza exumação do corpo de Franco

A exumação não será imediata, porque o tribunal deve analisar três outros recursos

Legenda: Desde a sua morte, seu corpo está no Vale dos Caídos, um mausoléu construído por milhares de presos políticos nos anos 40 e 50
Foto: AFP

O Supremo Tribunal da Espanha aprovou nesta terça-feira, 24, a exumação dos restos mortais do ditador Francisco Franco, que estão em um suntuoso mausoléu nos arredores de Madri. "Os seis juízes decidiram por unanimidade negar recurso interposto pelos parentes de Franco para evitar a exumação", afirmou o tribunal, em breve comunicado.

"Hoje, conquistamos uma grande vitória para a democracia espanhola. A determinação de reparar o sofrimento das vítimas do franquismo foi o que guiou a ação do governo", afirmou o premiê socialista Pedro Sánchez no Twitter. Com a decisão, os juízes validam não apenas a exumação dos restos mortais no Vale dos Caídos, como também a decisão do governo de enterrá-lo com sua mulher no discreto cemitério de El Pardo, ao norte de Madri.

A exumação não será imediata, porque o tribunal deve analisar três outros recursos. A família de Franco, porém, prometeu recorrer ao Tribunal Constitucional e ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos. Os parentes esperavam pelo menos sepultá-lo na Catedral de La Almudena, sede episcopal da diocese de Madri.

O governo socialista tenta retirar os restos mortais do ditador da basílica construída pelo próprio Franco, que governou a Espanha de 1939 a 1975. Desde a sua morte, seu corpo está no Vale dos Caídos, um mausoléu construído por milhares de presos políticos nos anos 40 e 50.

No templo católico, dominado por uma imponente cruz de 150 metros, também estão os restos mortais de quase 27 mil combatentes leais a Franco e das vítimas de seu regime, quase 10 mil republicanos retirados de fossas comuns e cemitérios e levados para o local sem aviso prévio às famílias. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.