Impasse em negociação da União Europeia sobre plano de recuperação pós-pandemia

Os ministros de Finanças dos países que integram o bloco não conseguiram chegar a uma resposta comum para a crise

Legenda: Os 27 países que formam o bloco continuam sem chegar a acordo sobre enfrentamento da crise
Foto: Foto: AFP

Os ministros das Finanças da União Europeia não conseguiram, nesta quarta-feira (8), chegar a um acordo sobre uma resposta econômica comum à pandemia de COVID-19, após uma noite de negociações em que os países do norte, especialmente Holanda, opuseram-se aos do sul, que exigem um esforço financeiro sem precedentes.

"Após 16 horas negociando, chegamos perto de um acordo, mas ainda não o alcançamos. Suspendi o Eurogrupo" e continuaremos "amanhã, quinta-feira", escreveu o ministro português e presidente do Eurogrupo, Mario Centeno, em sua conta no Twitter.

Segundo várias fontes europeias, as negociações fracassaram, devido à firmeza da Holanda, que rejeita o pedido da Itália sobre empréstimos para os países mais problemáticos dos fundos de resgate da zona do euro. "Os holandeses foram muito duros. Sem eles, teríamos chegado a um acordo", disse uma fonte próxima às negociações, que descreveu suas exigências como "excessivas".

Esta reunião era um teste decisivo para a unidade dos 27, que continuam mostrando diferenças, aparentemente irreconciliáveis, após o fracasso da cúpula de chefes de Estado e de Governo em 26 de março dedicada a esta crise.

Resposta séria
Diante da pandemia, a resposta europeia se concentrará em três eixos que parecem obter o apoio dos ministros, afirmam várias fontes. 

Em primeiro lugar, até 240 bilhões de euros em empréstimos do fundo de resgate do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE). Adicionado a este montante, 200 bilhões de euros mobilizados por meio do Banco Europeu de Investimento (BEI) em um fundo de garantia para empresas e até 100 bilhões de euros para apoiar o trabalho de meio período.

Este pacote de medidas é "o mais importante e o mais ambicioso já preparado pelo Eurogrupo", acrescentou o português, para quem "não se trata apenas de sobreviver ao vírus, mas de recuperar as economias". Os países mais afetados pelo coronavírus, principalmente Itália e Espanha, insistem na criação de um instrumento de dívida compartilhada - conhecido como "coronabônus", ou "eurobonds" - que visa a relançar a economia assim que a crise passar.

Esta proposta é apoiada por França, Grécia, Malta, Luxemburgo e Irlanda. "Os eurobonds representam uma resposta séria e apropriada", insistiu o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, cujo país é o mais atingido na Europa (mais de 17.127 mortes), na segunda-feira à noite.

Espanha e Itália, confrontadas à oposição dos países do norte (Alemanha e Holanda principalmente), causaram o fracasso da cúpula no final de março.

A mutualização da dívida é, de fato, uma linha vermelha para Berlim e Haia, que se recusam a se comprometer com um empréstimo conjunto com Estados fortemente endividados, que consideram maus administradores.

Para o ministro das Finanças da Holanda, Wopke Hoekstra, os "coronabônus" causariam mais problemas do que soluções para revitalizar a economia.

"A Holanda é contra a ideia dos eurobonds", tuitou Hoekstra nesta quarta-feira.

Seu colega alemão, Olaf Scholz, também reiterou sua rejeição a essa medida e insistiu em que a reativação da economia europeia é possível "com ferramentas muito clássicas", como, "por exemplo, o orçamento da União Europeia".

Dinamarca, Áustria, Suécia e Estados Bálticos estão deste lado, segundo uma fonte europeia.

Em vez de debater a hipotética dívida compartilhada, os países do norte preferem se concentrar agora nos instrumentos existentes para combater o golpe econômico, como o MEE, criado em 2012 durante a crise da dívida na zona do euro.

O MEE pode conceder empréstimos a um Estado em dificuldade que atinja 2% do Produto Interno Bruto (PIB), ou até 240 bilhões de euros.