Idosa que restaurou 'Ecce Homo' quer cobrar direitos autorais

Legenda: Obra "Ecce Homo", pintada pelo artista espanhol do século 19 Elías García Martínez, foi danificada, em 2012, pela espanhola Cecília Giménez, 81
Foto: Foto: AFP

A espanhola Cecília Giménez, 81, que danificou uma pintura de Jesus numa tentativa de restauração pensa em cobrar direitos autorais sobre a obra, que ficou famosa no mundo inteiro e virou alvo de piadas na internet.

Ao ver que a obra "Ecce Homo", pintada pelo artista espanhol do século 19 Elías García Martínez na parede do santuário Nossa Senhora da Misericórdia de Borja, em Zaragoza, estava danificada, a idosa resolveu restaurá-la "sem pedir permissão", mas "com boas intenções".

Segundo a rede espanhola TVE, advogados da idosa analisam pedir os direitos autorais porque a fundação responsável pelo santuário está cobrando um euro dos curiosos que vão até o local apreciar a pintura, que ficou conhecida como "a pior restauração do mundo".

Cecilia Giménez, responsável pela restauração Na semana em que a notícia se alastrou pelo mundo, a senhora Giménez ficou de cama. Vizinhos e pessoas próximas disseram que ela estava com "ataque de ansiedade". Não por menos.
Em poucas horas, o restauro desastroso começou a aparecer em paródias na internet. Em uma delas, Jesus aparece como o personagem Chewbacca, de "Guerras nas Estrelas". Também há versões em que o rosto de Jesus é substituído por um gato ou por outras figuras conhecidas.

A obra ganhou uma página no Facebook, chamada La señora que pintó el Troll de Borja, e uma hashtag no Twitter, #EcceMono -"mono" significa "macaco" em espanhol.

Circulou ainda um abaixo assinado pedindo à cidade de Borja que mantenha a pintura como está. "O trabalho realizado pela artista anônima no Ecce Homo do Santuario de la Misericordia de Borja supõe um reflexo inteligente da situação política e social do nosso tempo", afirma o texto.

"É uma crítica sutil às teorias criacionistas da Igreja", continua o documento, em tom jocoso. "O resultado da intervenção combina inteligentemente o o expressionismo primitivo de Francisco de Goya com figuras como Ensor, Munch, Modigliani e o grupo Die Brücke, pertencente à corrente artística do expressionismo alemão."

Recuperação

Em entrevista à rede espanhola TVE, a idosa disse que o padre da igreja na qual estava a obra sabia o que ela estava fazendo. "O padre sabia. Como ia fazer algo sem dizer nada se todo mundo que entrava me via pintando?", questionou. Ela disse também que decidiu retocar a pintura porque o salitre da parede da igreja estava quase destruindo a imagem.

Segundo Giménez, esta não foi a primeira vez em que ela mexeu na pintura -informação confirmada por Teresa García, parente do pintor. "Antes ela já havia consertado alguns problemas na túnica [de Jesus]. O problema foi que desta vez ela mexeu no rosto", disse García.

Duas restauradoras começaram a avaliar os danos e as possibilidades de recuperá-la, mas foram interrompidas por centenas de visitantes que se apinhavam no santuário para ver e clicar o Jesus de Cecília Giménez.

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo