EUA quase dobram valor exigido para conceder "green card"

Nova York é uma das cidades americanas mais visadas pelos imigrantesCapital para obter visto de moradia sobe de US$ 500 mil para US$ 900 mil

Legenda: Nova York é uma das cidades americanas mais vidas pelos imigrantes
Foto: Foto: AFP

Um contingente de brasileiros faz investimentos nos EUA em troca do "green card", visto que garante residência no país. O programa do governo americano, chamado de EB-5, concede desde 1990 a autorização de permanência no país pelo aporte mínimo de US$ 500 mil (R$ 2,1 milhões) em projetos, principalmente imobiliários, em áreas consideradas menos desenvolvidas. Ontem, no entanto, o valor subiu para US$ 900 mil (R$ 3,7 milhões). O aumento do investimento deve frear a busca dos brasileiros pelo projeto de vida nos EUA via EB-5, segundo avaliações de especialistas.

"O número de pessoas que têm a disponibilidade de capital de US$ 500 mil não é o mesmo que o número de pessoas quem têm US$ 900 mil", diz Ana Elisa Bezerra, vice-presidente da LCR Capital Partners, empresa que assessora quem deseja aplicar para essa modalidade de visto.

"Em razão do aumento vai haver, sim, diminuição. Porque nem todos têm acesso ao montante mais as taxas de documentação, tradução, honorários e acompanhamento processual", diz Daniel Toledo, especialista em direito internacional.

Nos últimos sete anos, houve um crescimento anual contínuo no número de vistos EB-5 emitidos a brasileiros.

A evolução vai das 24 permissões dadas em 2012 para as 388, expedidas no ano passado, segundo dados do Serviço de Imigração e Cidadania dos EUA.

O novo valor do aporte, contudo, deve segurar esse crescimento. Isso porque a diferença a ser desembolsada no projeto, na cotação atual do dólar, é de R$ 1,6 milhão. Se apenas essa diferença é inacessível para grande parte dos brasileiros, o valor total de R$ 3,7 milhões do green card restringe ainda mais o grupo que pode solicitar o visto.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo