Estado Islâmico assume responsabilidade por ataque no Afeganistão

O comunicado divulgado pelo grupo terrorista também afirmou que, após o atentado suicida, um carro-bomba foi detonado no ataque, mas autoridades afegãs não confirmaram isso

Legenda: Ato terrorista ocorreu durante um casamento com cerca de 1.200 convidados.
Foto: Foto: AFP

A afiliada do grupo Estado Islâmico no Afeganistão reivindicou a responsabilidade pelo ataque suicida na capital Cabul que matou 63 pessoas no sábado (17). O atentado ocorreu durante uma festa de casamento lotada e deixou outros 182 feridos, segundo o porta-voz do governo, Feroz Bashari. O porta-voz do Ministério do Interior, Nusrat Rahimi, confirmou o número de mortes, e as famílias já começaram a enterrar os mortos. O ato terrorista aconteceu em um bairro do oeste de Cabul que abriga grande parte da população minoritária xiita Hazara.

Segundo nta do grupo, publicada em um site ligado ao Estado Islâmico neste domingo (18), um combatente do Estado Islâmico paquistanês teve como alvo um grande encontro xiita em Cabul. O comunicado também afirmou que, após o atentado suicida, um carro-bomba foi detonado no ataque, mas autoridades afegãs não confirmaram a informação.

O agressor detonou seus explosivos perto do palco onde músicos estavam tocando, e "todos os jovens, crianças e todas as pessoas que estavam lá foram mortos", disse uma das testemunhas, Gul Mohammad. Ahmad Omid, um sobrevivente, afirmou que cerca de 1.200 pessoas haviam sido convidadas para o casamento da prima de seu pai. 

Moradores de Cabul estão indignados com a continuidade da violência, mesmo quando os Estados Unidos e o Taleban dizem estar se aproximando de um acordo para acabar com o conflito que já dura 18 anos. O Taleban condenou o ataque como "proibido e injustificável" e negou qualquer envolvimento.