Em aplicação de pena de morte, EUA matam supremacista com injeção letal

Há 17 anos, país não realizava uma execução federal

Legenda: "Estão matando um homem inocente", disse Lee em suas últimas palavras
Foto: Reprodução

Um supremacista branco arrependido que foi condenado à morte pelo assassinato de três membros de uma família foi executado nesta terça-feira (14), na primeira aplicação da pena de morte em âmbitol federal nos Estados Unidos, após o fim de uma moratória de 17 anos.

"Daniel Lewis Lee foi executado usando a injeção letal", informou a prisão de Terre Haute, em Indiana, onde estava o condenado. 

Lee, 47 anos, que era um supremacista branco que depois renunciou a essas crenças, foi condenado à morte pelo assassinato de uma garota e seus pais em 1996 durante um assalto, para obter fundos para a "República Popular dos Povos Arianos". 

Legenda: Lee passou 20 anos no corredor da morte.
Foto: Reprodução

Foi condenado em 1999 no Arkansas pelo assassinato de William Mueller, um traficante de armas, sua esposa, Nancy, e a filha de oito anos do casal, Sarah Powell.

O casal assassinado tinha um grande arsenal em sua casa, e as autoridades calcularam que Lee obteve cerca de US$ 80.000 no roubo. 

Em suas últimas palavras, Lee proclamou sua inocência, de acordo com um jornal local presente na execução, e criticou o sistema de justiça por ignorar evidências. "Estão matando um homem inocente", disse Lee, segundo o jornal The Indianapolis Star. 

A advogada de Lee, Ruth Friedman, denunciou o processo "vergonhoso" que levou à morte do condenado e disse que seu cliente esperou quatro horas na maca antes de ser executado. 

Lee, originalmente de Yukon, Oklahoma, passou 20 anos no corredor da morte.

Legenda: Ativistas contra a pena de morte criticaram do lado de fora do presídio a decisão com cartaz "toda vida é preciosa"
Foto: AFP

A execução estava marcada para segunda-feira, mas a juíza Tanya Chutkan ordenou que a sentença fosse suspensa horas antes para permitir apelações aos protocolos de injeção letal, que seria aplicada a ele e a outras três pessoas condenadas à morte por crimes federais. 

O Departamento de Justiça recorreu imediatamente da sentença de Chutkan e a Suprema Corte lhe deu razão na manhã desta terça-feira.

Outra execução prevista

A Suprema Corte concluiu que Lee e os outros detidos "não fizeram o necessário para justificar uma intervenção no último momento de um tribunal federal". 

O prisioneiro do próximo corredor da morte, Wesley Purkey, 68, será executado na quarta-feira, também em Terre Haute. 

Earlene Peterson, cuja filha e neta foram mortas por Lee, pediu clemência ao presidente Donald Trump, mas o presidente ignorou seu pedido. 

Os familiares das vítimas também pediram para adiar a execução devido à pandemia de coronavírus, até que pudessem viajar com segurança para testemunhar o procedimento. 

Eles alegaram que tiveram que enfrentar uma "escolha impossível" entre o direito de assistir à execução e o respeito à saúde, no país com mais mortes pelo coronavírus, com mais de 135.615 mortes.

Finalmente, o procedimento seguiu seu curso. 

O governo Trump, que defende penas mais severas para os criminosos, anunciou em julho de 2019 que o governo federal deveria voltar a usar a pena de morte, encerrando uma moratória informal em vigor desde 2003. 

A moratória foi realizada devido a debates sobre métodos de execução e controvérsias sobre as drogas usadas, além da relutância do ex-presidente dos EUA, Barack Obama. 

Em seguida, o procurador-geral Bill Barr ordenou que o procedimento fosse realizado por uma única injeção legal de fenobarbital (fenobarbitona), um barbitúrico que substitui um método que usava três drogas diferentes. 

Nos Estados Unidos, a maioria dos crimes é julgada em nível estadual, mas a justiça federal pode lidar com os crimes mais graves (ataques "terroristas", crimes racistas) ou com base em bases militares. 

De acordo com as pesquisas, o apoio à pena de morte diminuiu entre os americanos, mas continua forte entre os eleitores republicanos: 77% dos quais são a favor dessa punição para assassinos.