Diante das evidências, testes com hidroxicloroquina foram interrompidos, diz OMS

Anúncio foi feito pela líder de Implementação de Pesquisas da OMS, Ana Maria Henao, e gerou diversas dúvidas durante a entrevista coletiva

Fotografia de um cientista segurando o medicamento
Legenda: Uso do medicamento já havia sido suspenso anteriormente pela OMS, que voltou atrás dias depois
Foto: AFP

O comando da Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou nesta quarta-feira (17), a interrupção do braço de seu estudo que utiliza a hidroxicloroquina em pacientes graves da Covid-19. A decisão é anunciada após nesta semana o Reino Unido informar que faria o mesmo, por não ver resultado positivo no medicamento, e também depois que a agência de controle de medicamentos dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês) revogou a autorização para o uso emergencial da cloroquina e da hidroxicloroquina para pacientes com o novo coronavírus.

A OMS havia chegado a interromper seus estudos com hidroxicloroquina anteriormente, mas voltou a realizá-los por mais alguns dias.

Agora, a entidade diz que fez uma revisão sistemática da evidência disponível, reviu os resultados específicos de seu próprio estudo e informou que, diante das evidências disponíveis houve a decisão de interromper os testes com a hidroxicloroquina.

Dexametasona mostra bons resultados contra Covid-19 e Reino Unido inclui corticoide no tratamento

O anúncio da mudança foi feito por Ana Maria Henao Restrepo, líder de equipe para Implementação de Pesquisas da OMS, e causou várias dúvidas na entrevista coletiva. Em três momentos diferentes, o comando da entidade foi questionado sobre o que de fato estava sendo dito.

Em suas respostas, Henao Restrepo esclareceu que "aparentemente, não houve benefício no uso da hidroxicloroquina" no ensaio clínico Solidariedade, da OMS, como já havia sido registrado no estudo britânico.

O medicamento tampouco levou a uma redução nas hospitalizações nem na mortalidade pela Covid-19, explicou.

A autoridade médica disse ainda, porém, que a atualização anunciada nesta quarta-feira "não representa uma recomendação política da OMS", já que esse tipo de diretriz passa por outros canais na entidade.

Henao Restrepo afirmou ainda que a decisão das autoridades médicas envolvidas no ensaio clínico Solidariedade se resume ao próprio estudo, sem entrar no mérito, por exemplo, de supostos benefícios no uso profilático da hidroxicloroquina em pacientes expostos à Covid-19.