"Covid fitness" inclui treinos em academia adaptada para protocolo de segurança contra o vírus

No México, academias reabrem com preocupação de evitar que o coronavírus se espalhe; ambientes são redesenhados

Legenda: Do uso de escudos faciais a cubículos que lembram um casulo de plástico, a prática da musculação exige adaptações em tempos de Covid-19
Foto: AFP

Uma academia no norte do México satisfaz os entusiastas por exercícios e uma vida saudável com a "Covid fitness". Os treinos acontecem em cubículos transparentes, sem contato ou fluidos arriscados, exibidos como em uma vitrine. 

>Na Califórnia, "casulos" para treinos isolam praticantes de musculação

Enquanto o país tenta fazer a transição para o desconfinamento, uma academia em Ciudad Juárez, na fronteira com os Estados Unidos, decidiu isolar os espaços onde seus clientes se exercitam, fabricando salas com plástico e conglomerados de madeira que lembram tanques de peixes.

David Rojas, diretor da academia, conta que a ideia dos cubículos surgiu após passar pelo processo com a sua esposa de dormir em outro quarto. 

Foi para "o vírus não passar para mim (...) o foco ficou preso ali", lembra ele. "Se criarmos algumas salas e habilitarmos as instalações para que os clientes possam entrar e fazer seu exercício funcional, não haverá problema", explica ele. 

Com 1.541 casos confirmados e 381 mortes, Ciudad Juárez é a cidade no estado de Chihuahua mais afetada pelo novo coronavírus. O México, com 127 milhões de habitantes, tem 150.264 infectados e 17.580 mortes. 

Rojas, também fã de exercícios, relata que o estresse de fechar o negócio por quase três meses elevou seus níveis de colesterol e triglicerídeos. 

"Tentamos ensinar muito de forma virtual e coisas assim, mas não é a mesma coisa (...). O que as pessoas querem é sair, acrescenta.

Legenda: Praticantes de musculação encontram protocolo de segurança na reabertura de academias, como em Erbil, no norte do Iraque
Foto: AFP

"Tudo se desinfeta" 

Novas medidas foram impostas, como medir a temperatura e o uso de uma dose essencial de gel antibactericida que os funcionários da academia oferecem a cada um na entrada. 

Durante as aulas em grupo, o único serviço que eles oferecem por enquanto é o que Rojas chamou de "Covid fitness": música eletrônica, luzes coloridas e um instrutor controlando cada exercício e repetição. 

Agora, no entanto, ela acontece cercada de cubículos, onde os frequentadores ficam muito visíveis, ao contrário do anonimato das rotinas convencionais. Cada espaço possui pesos, bicicletas e colchonetes, entre outros. 

Uma vez lá dentro, eles correm, fazem agachamentos ou flexões, alguns usando máscaras, sob o comando de Michie Rojas, a treinadora da "Covid fitness". 

"Tudo é desinfetado entre as aulas para uma maior segurança", diz ele. 

Entre seus clientes mais felizes estão donas de casa como Aris Villa, que agora podem fugir da rotina e das crianças sem medo do contágio. 

"Exercitar-se em casa é um pouco difícil. Então aproveitei a oportunidade quando eles me disseram que tinham essa nova modalidade aqui", conta Villa. 

Atualmente, as academias e centros esportivos mexicanos podem abrir em até 50% de sua capacidade e somente mediante agendamento, apenas nos estados que estão no segundo nível do alerta epidemiológico, como Chihuahua, de acordo com as regras sanitárias.


Assuntos Relacionados