Arábia Saudita veta peregrinos do exterior e limita visitas a Meca

Em junho, as autoridades decidiram limitar o total de fiéis que poderão fazer a peregrinação no fim deste mês - em 2019, mais de 2,5 milhões participaram do evento

Legenda: Todos dentro do templo serão obrigados a usar máscara
Foto: AFP

A Arábia Saudita abriu na segunda-feira, 6, as inscrições para a grande peregrinação anual do hajj à cidade sagrada de Meca, mas apenas para residentes estrangeiros, que constituem 70% dos mil fiéis autorizados a fazer o ritual neste ano. Quem for selecionado não poderá beijar ou tocar a Caaba ou a Pedra Negra, relíquia sagrada da mesquita.

Além das restrições, causadas pela pandemia de coronavírus, serão instalados pontos de controle em todas as entradas de Meca, inclusive nas paradas de ônibus e no pátio da mesquita, para medir a temperatura de cada fiel. Todos dentro do templo serão obrigados a usar máscara. Em junho, as autoridades decidiram limitar o total de fiéis que poderão fazer a peregrinação no fim deste mês - em 2019, mais de 2,5 milhões participaram do evento.

O Ministério da Peregrinação especificou, na segunda-feira, que os residentes estrangeiros, entre 20 e 65 anos e sem doenças crônicas, como diabetes e problemas cardiovasculares, estão autorizados a se inscrever em um site do governo.

As "vagas" restantes, cerca de 30%, serão para cidadãos sauditas escolhidos entre os profissionais de saúde e a equipe de segurança que se recuperaram do vírus. Os peregrinos terão de fazer testes de diagnóstico antes de chegarem a Meca e fazer quarentena em suas casas após o ritual.

A decisão de excluir os peregrinos do exterior, pela primeira vez na história moderna do reino saudita, provocou decepção entre muçulmanos do mundo inteiro, apesar de muitos terem aceitado a medida em razão dos riscos de saúde relacionados à pandemia de coronavírus. (Com agências internacionais)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.