Acusados de explodir avião da Malaysia Airlines são julgados na Holanda

Os quatro réus - separatistas pró-Rússia do alto escalão do leste da Ucrânia - enfrentam prisão perpétua e devem responder pelo crime de assassinato e por deliberadamente causar a queda do avião

Legenda: A sessão ocorre no tribunal de Schiphol, subúrbio de Amsterdã, a poucos passos do aeroporto de onde o Boeing decolou antes de ser atingido em pleno voo por um míssil
Foto: AFP

O julgamento de quatro pessoas - ausentes da sessão - acusadas de provocar a explosão do voo MH17 da Malaysia Airlines, em 2014, sobre a Ucrânia, começou nesta segunda-feira (9), na Holanda. O crime levou à morte das 298 pessoas que estavam a bordo do avião.

A sessão ocorre no tribunal de Schiphol, subúrbio de Amsterdã, a poucos passos do aeroporto de onde o Boeing decolou antes de ser atingido em pleno voo por um míssil BUK de fabricação soviética.

Apesar da ausência dos suspeitos - os russos Serguei Dubinsky, Igor Guirkin e Oleg Pulatov, e o ucraniano Leonid Khartchenko - na audiência, o julgamento continuará, decidiu a Corte.

Os quatro acusados - separatistas pró-Rússia do alto escalão do leste da Ucrânia - enfrentam prisão perpétua e devem responder pelo crime de assassinato e por deliberadamente causar a queda do avião.

Os réus, que são os primeiros nomes a serem responsabilizados neste caso, são processados por terem fornecido o sistema de mísseis antiaéreos BUK, que foi disparado por outras pessoas não identificadas. 

Dubinsky, Guirkin e Khartchenko serão julgados à revelia, enquanto Pulatov optou por ser representado por um advogado holandês, informou o juiz Hendrik Steenhuis. 

Na abertura do julgamento, que pode se estender por cinco anos, a acusação, em um momento solene, listou um a um todos os nomes das vítimas, homens, mulheres e crianças. As famílias das vítimas, muitas das quais viajaram para assistir à audiência, exigem que "a justiça seja feita".

"Dia muito importante" 
Para os familiares das vítimas, que lutam há mais de cinco anos por justiça, este é um "dia muito importante".

"Este é o primeiro dia em que saberemos o que aconteceu, quem foi o responsável, por que o avião foi abatido", disse Piet Ploeg, presidente de uma associação holandesa de vítimas. O homem perdeu seu irmão, cunhada e sobrinho no desastre.

"Também teremos respostas para perguntas como: 'qual foi o papel da Rússia'?", questionou, em entrevista a jornalistas, antes da audiência. 

O desastre

O Boeing 777 da Malaysian Airlines, que partiu de Amsterdã, na Holanda, para Kuala Lumpur, na Malásia, em 17 de julho de 2014, foi atingido em pleno voo por um míssil BUK sobre a área de conflito armado com separatistas pró-russos no leste da Ucrânia.

As 298 pessoas a bordo, incluindo 196 holandesas, morreram. O desastre foi considerado o pior da história do Boeing 777. A tragédia superou, inclusive, a que tinha acontecido no mesmo ano, em 8 de março, com o voo MH370 da companhia aérea, que desapareceu misteriosamente no trajeto entre Kuala Lumpur e Pequim, com 239 passageiros a bordo.

A equipe internacional de investigadores, liderada pela Holanda, estabeleceu, em maio de 2018, que o avião havia sido abatido por um míssil da 53ª brigada antiaérea russa, baseada em Kursk (sudoeste).

Após estas revelações, Holanda e Austrália culparam a Rússia pela morte de seus cidadãos. Moscou sempre negou veementemente qualquer envolvimento no acidente e atribuiu a culpa a Kiev. 

Os investigadores responsáveis por esclarecer a explosão da aeronave ainda tentam identificar as pessoas que acionaram o lançamento do míssil, sem descartar novas acusações no futuro.

Em meados de novembro de 2019, foram divulgados os conteúdos de conversas telefônicas entre os suspeitos e as autoridades russas - incluindo Vladislav Surkov, influente consultor do presidente russo Vladimir Putin e do ministro da Defesa russo Serguei Shoïgu - revelando "laços estreitos" entre eles.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo