Transplantados e doadores se unem para dividir histórias e lutas no Parque do Cocó, em Fortaleza

O evento faz parte do movimento “Doe de Coração”, que promove ações de conscientização sobre o transplante de órgãos no Ceará.

Foto: Fabiane de Paula

Transplantados, doadores e profissionais da saúde se reuniram neste sábado (21), no Parque do Cocó, em Fortaleza, para uma campanha de sensibilização sobre a necessidade do transplante de órgãos e tecidos no Ceará. Como parte das ações do movimento “Doe de Coração”, estiveram presentes pacientes que já receberam a doação, além de familiares e apoiadores. O grupo se uniu em uma caminhada pela trilha do Parque propagando a importância de ser doador, além de compartilhar histórias de superação, amor e empatia. 

O Doe de Coração, promovido pela Fundação Edson Queiroz, é realizado há 17 anos. Em 2019, o diferencial do evento foi o “self point”, uma cabine onde os apoiadores podiam gravar vídeos, tirar fotos e divulgar a ideia do evento nas redes sociais. O casal Antônia Armas, 42, e Natanael Areque, 44, foi um dos apoiadores que utilizaram o espaço. Naturais de Benjamin Constant, no estado de Amazonas, tiveram que vir ao Ceará para conseguir o transplante de Antônia, que recebeu a doação de um fígado há 4 meses.  

Foto: Fabiane de Paula

Hoje, após decorrido o processo e em fase de recuperação, ela conta que já se sente bem melhor. “Eu estou me sentindo maravilhosa. Bem ativa. Vejo a luta de muita gente que fica muitos anos na fila. Acho que passei só cinco meses”, conta a amazonense que fica, atualmente, em uma pousada no bairro Rodolfo Teófilo, em Fortaleza, enquanto aguarda todos os processos de recuperação cirúrgica.

Especialistas  

O evento contou, também, com a presença de pesquisadores e profissionais da área. Para Eliana Barbosa, coordenadora da Central de Transplantes do Estado, o Ceará tem o diferencial de “conscientizar e mobilizar toda a sociedade por meio da informação”. Ela aponta, ainda, que a “campanha, através dos meios de comunicação, contribui para as doações no estado Ceará”.
  
O encontro serviu para debater, também, os desafios encontrados no Estado para quem necessita do transplante. Para Eliana, embora o Ceará apresente bons números na quantidade de doações de órgãos, ainda é preciso uma melhora em alguns aspectos. “Nós podemos aumentar a nossa taxa de notificações de potenciais doadores, por exemplo. Ela é uma taxa boa mas que pode ser ampliada”, justifica a coordenadora. 

Foto: Fabiane de Paula

Doe de Coração

O movimento “Doe de Coração” chegou a 17ª edição e desde o último dia 2 está promovendo ações de mobilização. No próximo dia 26, a programação segue com o I Fórum de Transplantes da Universidade de Fortaleza, que reunirá especialistas para discutir os entraves e as mudanças da legislação referentes ao tema. No dia 27, Dia Nacional da Doação de Órgãos, o movimento se reúne na Praça do Ferreira, em Fortaleza, para celebrar a data. 
 

Você tem interesse em receber mais conteúdo da cidade de Fortaleza?