Samu: Atendimentos clínicos sobem e traumáticos caem durante pandemia

Serviços ocorrem em quase todos os municípios do Estado; só em Fortaleza, foram 305 chamados suspeitos de Covid-19

Os atendimentos clínicos realizados pelas unidades do Serviço Ambulatorial Móvel de Urgência (Samu), ocorridos em Fortaleza e outros 178 municípios do Ceará, apresentaram leve aumento durante os meses iniciais da pandemia da Covid-19. Este tipo de suporte é o requerido para pacientes com suspeita ou confirmação da infecção provocada pelo novo coronavírus.

 

Somando março e abril deste ano, de acordo com a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de Fortaleza, que gerencia as atividades na Capital, houve aumento de 5,5% nos atendimentos clínicos. Segundo a Pasta, ao todo, foram 305 registros de pedidos com suspeita da Covid-19 neste período.

O leve aumento na assistência clínica também ocorreu a nível estadual. Conforme a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), o aumento foi de 8,4%, somando-se os meses de março e abril de 2019 em comparação a 2020. No ano passado, foram 7.393 atendimentos desse tipo, neste, foram 8.018.

Chamados de trauma

Ao passo que o número de chamados clínicos apresentou crescimento, a quantidade de atendimentos traumáticos reduziu tanto na Capital quanto nas demais cidades do Estado. Em Fortaleza, houve decréscimo de 16,9% no número de ocorrências desta natureza, entre março e abril de 2020, em comparação com 2019.

A nível estadual, os atendimentos nesta categoria reduziram de 4.921 para 4.121, em iguais períodos - um decréscimo percentual de 16,2%. Segundo a Sesa, a queda pode estar relacionada "à redução no fluxo de veículos dentro da maior cidade do estado, Fortaleza, assim como o trânsito entre os municípios, e a suspensão das aulas dos estudantes das redes municipal e estadual".

Infraestrutura do sistema

Em Fortaleza, a SMS gerencia 27 ambulâncias do Samu para todos os bairros da cidade, sendo 19 delas de Suport Básico (USB), seis de Suporte Avançado (USA-UTI móvel) e duas de Suporte Intermediário (USI), além de "mais ambulâncias descaracterizadas para atendimento específico de suspeitos e/ou pacientes com Covid-19", conforme nota.

Segundo a Pasta municipal, os profissionais que atendem no serviço "foram devidamente capacitados e utilizam material de proteção individual,  de acordo com as orientações do Ministério da Saúde". A Prefeitura disse ter entregado nove Bases Descentralizadas do Samu em "pontos estratégicos" da cidade, "o que facilita na hora do chamado as equipes estarem mais próximas do lugar da ocorrência".

Já a Sesa informou que dispõe de 141 viaturas do serviço sendo 109 UBS, 26 USA, duas USI, duas motolâncias e duas aeromédicas. o Governo do Estado argumenta que vem ampliando a cobertura no Estado e, desde 2008, vem expandindo o serviço, com o apoio do Ministério da Saúde. "A meta é chegar à cobertura de 100% neste ano", estima, em nota.