Rede de transportes da RMF está na fase de transição do Ceará e retorna em 1º de junho

Plano estadual envolve ainda transporte rodoviário na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) e tem início em 1º de junho

Legenda: Os serviços do Metrofor estão autorizados a funcionar na fase de transição do plano de retomada
Foto: Foto: arquivo / SVM

A rede de transporte e logística do Ceará foi contemplada na fase de transição do plano de retomada da economia do Governo do Estado durante a pandemia de Covid-19. O projeto foi apresentado nesta quinta-feira (28) pelo governador Camilo Santana (PT), através de live nas redes sociais. A frota não parou, ela foi apenas reduzida por conta da demanda. O retorno à capacidade máxima da frota é gradual e envolve critérios de risco sanitário e importância socieconômico. No primeiro momento, do dia 1º até 7 de junho, as atividades listadas são o Metrofor, o transporte rodoviário na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) e a manutenção de bicicletas.

>>>Fase de transição será teste para retomada; confira lista de setores que voltam ao trabalho

>>>Camilo nega retorno das aulas em junho; escolas voltam à atividade na última fase

O movimento contempla então a Capital e os demais 18 municípios da RMF: Aquiraz, Cascavel, Caucaia, Chorozinho, Eusébio, Fortaleza, Guaiúba, Horizonte, Itaitinga, Maracanaú, Maranguape, Pacajús, Pacatuba, Paracuru, Paraipaba, Pindoretama, São Gonçalo do Amarante, São Luís do Curu e Trairi.

Vale ressaltar que o decreto de isolamento social é mantido ao longo do período, com flexibilização apenas de alguns setores e funcionamento reduzido. Na rede de transporte e logística, por exemplo, o Governo prevê 1.113 pessoas trabalhando entre a Grande Fortaleza e o Interior, com 10,8% da cadeia produtiva.

A ampliação do número de agentes e serviços liberados irá ocorrer ao longo da fase 1, prevista caso os critérios de avaliação do momento de transição sejam alcançados. Para tal, serão mensurados dados como: a capacidade do sistema de atendimento de saúde, número de internações, mortalidade do novo coronavírus e território infectado.

Fase de transição para rede de transporte e logística

- Ceará: 1.113 pessoas liberadas para trabalhar | 10,8% (cadeia produtiva total) 

- Grande Fortaleza: 857 pessoas | 77% da cadeia
- Interior: 256 pessoas | 23%
- Serviços autorizados: Metrofor, transporte rodoviário metropolitano na RMF e manutenção de bicicletas

Fortaleza

A Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor) informou que reforça, diariamente, as linhas de maior demanda com ônibus extras. Além disso, a Etufor verificou queda na demanda por ônibus de até 81,4% com o isolamento social rígido em dias úteis.

Protocolo de segurança específico

O Governo do Estado lançou um protocolo geral para prevenção e combate ao novo coronavírus, além de um setorial para a rede de transportes do Ceará. As normas incluem disponibilização de álcool em gel 70% aos passageiros e também maior uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs).

Confira as ações de segurança destinadas ao setor de transporte:

  • Disponibilizar, em local de fácil acesso aos passageiros, preferencialmente na entrada e na saída dos veículos, de álcool em gel 70%.
  • Manter fixado, em local visível aos clientes e funcionários, informações sanitárias sobre higienização e cuidados para a prevenção do COVID-19.
  • Reforçar o uso obrigatório de EPI’s por todos os funcionários durante todo o itinerário do transporte coletivo. 
  • Estabelecer um procedimento de desinfecção para veículos no mínimo, três vezes ao dia: uma a noite, outra após o “pico” da manhã e outra antes do “pico” da tarde.
  • Articular com as autoridades responsáveis o mesmo procedimento de desinfecção dos veículos para as áreas comuns das estações e pontos de ônibus.
  • Manter os ambientes ventilados, evitando circular com janelas fechadas, sempre que possível. Quando for necessária a utilização do sistema de ar condicionado, deve-se evitar a recirculação do ar, desinfetar regularmente os assentos e demais superfícies do interior do veículo que são mais frequentemente tocadas pelos trabalhadores (solução com hipoclorito de sódio 2%, preparados alcoólicos e /ou outros sanitizante.
  • No caso de transporte coletivo privado, limitar a ocupação dos veículos, sem exceder à capacidade de passageiros sentados.
  • Adotar barreiras de proteção para separar motoristas, cobradores e vendedores de passagens.


Redação 08 de Julho de 2020