Projeto oferece auxílio às famílias cearenses durante pandemia

Ação nacional visa ajudar mães afetadas pela crise do novo coronavírus através de um repasse de renda mensal de R$ 150, além de suporte psicológico. No Ceará, pelo menos nove mães são beneficiadas

projeto
Legenda: Projeto "Segura a Curva das Mães" visa ajudar mães de família na periferia de Fortaleza durante pandemia
Foto: NATINHO RODRIGUES

Nos últimos meses, somar esforços para ajudar o próximo tem sido cada vez mais essencial para enfrentar a travessia da crise ocasionada pelo novo coronavírus. O projeto "Segura a Curva das Mães" é uma das iniciativas que visa ajudar. No caso, ele auxilia mães e crianças em situação de vulnerabilidade agravada pela pandemia. O Projeto já deu suporte a cerca de 1.734 matriarcas, incluindo nove mães de família cearenses.

A iniciativa foi criada através da união da ONG Instituto Casa Mãe e do Coletivo Massa e oferece um auxílio de R$ 150,00 por mês a cada mãe, atingindo cerca de 6.936 crianças, adolescentes, idosos e pessoas com deficiência por quem essas mães são responsáveis. "Todos os dias falta comida na mesa de algumas famílias. Às vezes tem comida, mas falta o dinheiro para o gás. Estamos em contato com essas chefes de família, para mapear e tratar o máximo de casos emergenciais", explica Thais Ferreira, uma das idealizadoras do projeto.

Para além do auxílio financeiro, o projeto também conta com apoio voluntário de profissionais especializados em áreas diversas para proporcionar aulas virtuais de yoga, orientação nutricional e suporte psicológico. "A gente tem um contato muito próximo, via WhatsApp, com essas mães. Formou-se uma rede integral de apoio. Isso serve para a gente entender como podemos atuar tanto localmente quanto no Brasil", pondera. O projeto, no entanto, depende de doações online para fazer os repasses às beneficiadas.

Contudo, segundo Thais, com o prolongamento do período pandêmico, surge a preocupação sobre como manter o auxílio de R$ 150. "A gente não tem uma data limite para a pandemia. As situações ficam cada vez mais difíceis, as vulnerabilidades vão aumentando por causa da ausência de trabalho, apoio e da escola e essas mulheres precisam do suporte", afirma.

A idealizadora comenta ainda a importância de manter o projeto tendo em vista o aspecto emocional das mães que perderam entes para a Covid-19. "Sentimos a necessidade de conectar um especialista, capaz de oferecer ajuda técnica e especializada, e buscamos alguém com disponibilidade para atuar de forma voluntária. Hoje contamos com esse suporte, que é super importante no contexto em que vivemos, e estamos em busca de outros profissionais para nos ajudar a atacar outros problemas", coloca Thais.

Ajuda

Em meados de abril, a empreendedora e mãe cearense Kamila Rabelo, se viu "de mãos atadas" para garantir o sustento da família, composta pela filha Maitê, de 2 anos, e o marido, que também está desempregado. "Eu estava na internet vendo alguns cursos de apoio, quando me deparei com o projeto de apoio às mães prejudicadas nesse período e vi uma oportunidade", relata.

Após a empreendedora receber o aceite da inscrição para ser beneficiada, Kamila já recebeu duas parcelas da ajuda financeira.

"É uma situação muito complicada, nunca me vi assim. O dinheiro tem me ajudado muito a dar uma aliviada na questão da alimentação, porque o meu auxílio emergencial do Governo ainda não tinha saído. No primeiro mês, a gente estava com a dispensa quase vazia quando chegou essa ajuda do Projeto. Está sendo essencial", disse.