Prédio que desabou no bairro Dionísio Torres não tem registro oficial, diz Prefeitura

De acordo com a administração municipal, em 1977 havia uma casa no terreno onde o edifício foi construído

Legenda: Bombeiros seguem realizando buscas no local
Foto: Foto: Kid Junior

O prédio que desabou na manhã desta terça-feira (15) no bairro Dionísio Torres foi construído de maneira irregular, de acordo com a Prefeitura de Fortaleza.  

A administração municipal informou ainda que em 1977 havia uma casa no lugar do Edifício Andrea, na Rua Tibúrcio Cavalcante, e que a construção irregular dos sete pavimentos é o motivo pelo qual não há registros oficiais do prédio.

Legenda: Durante a tarde, bombeiros realizaram trabalho de buscas com cães farejadores.
Foto: Thiago Gadelha

Em 1994, houve o registro da obra de construção do prédio na Secretaria de Finanças do Município de Fortaleza (Sefin), com obras executadas em 1995.

Somente em 2013, os Impostos sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU) que incidiam sobre o terreno foram desmembrados em 13 unidades, referentes a cada um dos apartamentos.

Isto, segundo a Prefeitura, prova que não houve o Certificado de Conclusão de Edificação, também conhecido como Habite-se, documento que atesta que a obra foi executada segundo o projeto aprovado no Alvará de Construção e autoriza o uso da edificação.

Falta de registro

Em entrevista coletiva, a direção do Conselho Regional de Engenharia do Ceará (Crea-CE) afirmou que também não tem registro ou nome de um engenheiro responsável pela construção do Edifício Andrea.

Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Ceará (Crea-CE), não quis se posicionar a respeito de um vídeo divulgado pelos vizinhos, que mostra as colunas de sustentação com vigas à mostra, com uma delas inclusive estando coberta por um plástico.

O presidente do Crea, Emanuel Maia Mota, em entrevista à rede BBB News Brasil  afirmou que foi registrada nesta segunda-feira (14) uma Anotação de Responsabilidade Técnica informando uma reforma no Edifício Andrea. De acordo com ele, o documento entrou nos registros do Crea-CE nesta segunda, em nome de um engenheiro que informava que uma reforma seria executada no prédio, mas não deixou claro em que área seria esta obra.

"Na anotação de responsabilidade, o profissional apresenta o serviço e assume a responsabilidade sobre ele", finaliza o presidente.

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza


Redação 30 de Novembro de 2020