Pré-Carnaval: cuidado com estrutura de apoio agrada foliões

Os Pré-Carnavais se consolidam no calendário de Fortaleza e antigas queixas do público têm dado lugar ao reconhecimento dos foliões quanto à satisfação com as estruturas disponíveis, como policiamento e garantia de banheiros

Se o Carnaval é uma das festas populares mais democráticas, os Pré-Carnavais se consolidam no calendário de Fortaleza e, há anos, o público demanda a garantia de estruturas adequadas para curtir a folia. A temporada de Pré-Carnaval este ano já começou e segue a todo o vapor. Nela, algumas queixas antigas vão dando lugar ao reconhecimento dos foliões quanto à satisfação com as estruturas disponíveis na Capital.

Banheiros químicos em quantidade suficiente e adaptados, garantia de policiamento, ordenamento do trânsito e limpeza são alguns dos pontos fortes admitidos pelo público como sinais de melhoria em diferentes polos da folia, este ano, em Fortaleza.

No Mercado dos Pinhões, a estrutura tem agradado os frequentadores. Na última sexta-feira (8), o local contava com equipes da Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis), da Guarda Municipal, da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) e da Polícia Militar. Banheiros químicos foram colocados no entorno do polo e o uso era feito sem fila ou outros transtornos.

A professora Poliana Sandres, 33 anos, foi pela primeira vez ao polo e considerou a estrutura eficiente para a festa. "Vi que tem bastante policiais e isso me deu uma sensação maior de segurança".

Evolução

Para a estudante Tamara Heredia, 21, a estrutura do Mercado foi melhorada em comparação com o ano anterior. Segundo ela, dessa vez o local tem oferecido mais conforto para os visitantes no Pré-Carnaval e conseguiu evoluir. "Não tinha tanta segurança como tem agora, por exemplo. Os banheiros estão sendo suficientes e isso também é bom, porque mostra que a estrutura, agora, respeita o tamanho da festa", considera.

No Polo dos Queijos, novidade deste ano, a situação é semelhante e os foliões não reclamam da infraestrutura. Acostumada a ir aos domingos para ouvir o samba que acontece tradicionalmente no local, Luciene Sousa foi uma das que considerou "tudo ótimo". O policiamento era perceptível. Pelo menos duas equipes rondavam a festa. Perto dali, dois funcionários da Prefeitura davam apoio direcionando o trânsito e orientando sobre dúvidas gerais.

Dez banheiros químicos, sendo um deles adaptado a pessoas com deficiência física, estavam à disposição do público. O paratleta de tênis de mesa Francisco Jhony, 29, curtia o polo pela primeira vez com os amigos. "Estou adorando. Só o equipamento de som que podia ser melhor", pontuou. No sábado, Jhony foi à Praça do Ferreira, onde aprovou a acessibilidade.

Na Praia de Iracema, seja por terra ou pelo ar, o aparato policial disponibilizado garantiu tranquilidade ao Pré-Carnaval. Entre o Aterro e o Aterrinho, grupos de policiais faziam a segurança, enquanto um helicóptero da PM sobrevoava o local. A empresária Aila Castro, 56, que no sábado curtia a festa pela primeira vez, se sentiu ainda mais à vontade e animada para dançar ao som do samba dos blocos.

Cenário semelhante era visto no tradicional Pré-Carnaval da Mocinha. Policiais Militares e Guardas Municipais se misturavam entre o público eclético, formado por casais, famílias, crianças e idosos. A professora Magna Oliveira, 50, relata que o local é o preferido na sua programação, mesmo morando um pouco distante, na Maraponga.

Animação

Na Praça da Gentilândia, cores, glitter e adereços luminosos caracterizaram o público. Logo após o pôr do sol, o movimentado Polo do Benfica é tomado pela multidão, concentrada à beira do palco. As professoras Andrea Pinheiro, 46, e Teresa Santos, 42, visitaram a praça pela primeira vez, acompanhadas da família e amigos. "Aqui tem uma energia muito boa, as músicas são ótimas. Estou na expectativa pelo Carnaval, mas acho que o 'Pré' anima muito mais", admitiu Teresa.

Já na Praça do Ferreira, o Pré-Carnaval assumiu o feitio de um evento familiar: pais, mães e filhos dançavam juntos ao som de marchinhas no espaço popular do Centro de Fortaleza. A corretora de imóveis Adriana de Rocha, 46, e seu marido Tibério Souza, 40, visitam o local anualmente. "Aqui a gente vem com os amigos, eu chamo a família toda. É um ambiente pacífico, a gente pode aproveitar sem medo", conta Adriana.

O respaldo da segurança podia ser visto de longe, sinalizado pelas luzes de viaturas da Polícia Militar.

A crítica à estrutura do ambiente festivo, compartilhada nas praças do Ferreira e da Gentilândia, é direcionada às condições precárias dos banheiros químicos instalados nos dois logradouros. Nesses locais, apesar de uma quantidade abundante, os equipamentos, por vezes, estavam com as portas quebradas.


Assuntos Relacionados