Paciente de médico investigado no CE morre após cirurgia em SP

Sandra Mara Trovino da Cunha, 45, contratou o profissional para uma abdominoplastia, realizada no último dia 9 de março. A paciente faleceu ainda na mesa de cirurgia, após sofrer duas paradas cardíacas

Legenda: Danilo Dias responde por ações na esfera criminal, cível e administrativa. Sandra Mara Trovino da Cunha morreu no dia 9 de março

O cirurgião plástico Danilo Rocha Dias, envolvido em polêmica no ano passado - após complicações médicas sofridas por sua paciente, a youtuber cearense Camilla Uckers - está novamente implicado em um suposto caso de erro médico, desta vez levando à morte uma mulher de 45 anos, no Estado de São Paulo. Sandra Mara Trovino da Cunha contratou o profissional para uma abdominoplastia, realizada no último dia 9 de março. A paciente morreu no mesmo dia, ainda na mesa de cirurgia, segundo informou ao Diário do Nordeste seu filho, Welliton Trovino, 24.

A paciente teve duas paradas cardíacas logo após o procedimento, vindo a falecer. De acordo com a família, ela não tinha problemas de saúde e nem fazia uso de medicamentos. Segundo Welliton, ainda é aguardado um laudo pericial definitivo para atestar a causa da morte. A família, destaca ele, ainda reúne provas para entrar com processo criminal contra o médico. "A única coisa que ele nos disse foi que fez de tudo para reanimá-la, mas que não sabia o que tinha acontecido", disse.

O filho de Sandra afirma que sua mãe manteve contato com ele por dois meses antes de fechar o procedimento, contratado pelas condições facilitadas de pagamento. "Tem sido muito difícil para a nossa família porque a gente acha que isso poderia ter sido evitado", afirma.

Processos de natureza criminal, cível e administrativa, este no âmbito do Conselho Regional de Medicina (CRM/CE), já recaem sobre o cirurgião, investigado por outros supostos erros médicos no Ceará. Os procedimentos resultaram em duas pacientes com sequelas e uma terceira morta.

O caso de maior repercussão foi em 2018, envolvendo a youtuber Camilla Uckers, que teve infecção generalizada semanas após passar pelos procedimentos de rinoplastia, lipoaspiração na barriga, costas e pernas; além do implante de próteses nos glúteos, que precisaram ser retirados com urgência.

Morte

Em 2016, a médica Lia Pacheco Dias, com 32 anos, faleceu após procedimento de lipoaspiração realizado pelo cirurgião. Ela era cunhada dele. Sara Nunes Melo, 50, por sua vez, ficou 13 dias internada numa Unidade de Terapia Intensiva (UTI) com insuficiência renal e respiratória, no mesmo ano, após a realização de seis procedimentos, entre eles, a abdominoplastia.

Werner Feitosa, advogado de Camilla, Sara e de Ângela Pacheco, mãe de Lia, afirma que, além dos processos criminais e cíveis, entrou com uma petição coletiva no Ministério Público Estadual (MPCE), do risco iminente à sociedade a partir das atividades do cirurgião plástico. A partir do conhecimento da morte de Sandra, destaca o advogado, o inquérito policial pediu a prisão preventiva de Danilo.

O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) instaurou sindicância contra o médico, de acordo com a Agência Estadão Conteúdo. Conforme a Agência, o corregedor do Conselho Federal de Medicina (CFM), José Fernando Maia Vinagre, afirma que vai pedir esclarecimentos ao Conselho de Medicina do Ceará (CRM-CE) sobre os procedimentos adotados diante das denúncias feitas contra Dias.

A reportagem tentou contato com o médico, mas na clínica onde ele atende em Fortaleza, foi informado que o profissional está em viagem ao exterior. No contato pessoal informado no Boletim de Ocorrências registrado pela família de Sandra, a mulher que atendeu disse que o número não é de Danilo. A reportagem também entrou em contato com a assessoria de imprensa do CRM/CE, mas as ligações não foram atendidas.

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza