Movimento de clientes em Feira da Beira-Mar agrada comerciantes, mas espaço é alvo de queixas

Dentre os problemas apontados pelos feirantes alocados provisoriamente na Praia de Iracema, estão o tamanho das barracas e o acúmulo de poeira

Legenda: Tradicional feira funcionará na Praia de Iracema até que obra da Beira-Mar seja concluída
Foto: FOTO: CAMILA LIMA

O espaço no Aterro da Praia de Iracema onde está provisoriamente alocada a Feirinha da Beira-Mar tem sido classificado pelos comerciantes como satisfatório, tendo em vista o fluxo intenso de clientes. Contudo, queixas antigas que vão desde o tamanho apertado das barracas até a pouca iluminação, persistem. 

Os feirantes começaram a ser remanejados na última quarta-feira (31) em função das obras de requalificação da Avenida Beira-Mar. A previsão era de que eles iniciassem os trabalhos no novo local no dia 1º de agosto. Os ambulantes, porém,  ficaram parados por dois dias, e as vendas de artesanato e produtos regionais começaram somente neste sábado (3). 

Feirante há 22 anos, Ari Chagas, 49, revela que não percebeu diferença em relação às vendas de confecções, “porque está tendo muito movimento”, mas lamenta pelo comprimento do box.  “Aqui está muito apertado, é bem menor”. 

Sérgio Moreira, 46, que comercializa areia colorida na feirinha, reconhece que “toda adaptação é complicada”, citando os problemas por ele enfrentados. “Nós estamos todos muito imprensados, a situação que nós ficamos não é adequada”. Além disso, ele diz que faltam banheiros e a “iluminação, apesar de ser boa para o espaço aberto, é complicada para as barracas, porque dá sombra”.

Poeira

Segundo a vendedora de moda praia, Ivone Carmo, 43, o piso de cimento construído sobre a faixa de areia para receber as barracas acumula poeira, o que compromete até a qualidade da peças. “Ontem, a gente saiu daqui parecendo que estava trabalhando numa obra. Tem muita poeira, suja as peças, principalmente as brancas”. 

Ainda conforme Ivone, a atual organização dos boxes faz com que nem todos os feirantes tenham visibilidade. “Olha só, tudo desordenado, não estão alinhados. Quem está lá na frente, não ver que está aqui ao fundo, se tivesse alinhado daria certo”, aponta. 

Vendas

Por outro lado, Lucimar dos Santos, 57, produtora e vendedora de renda de bilros, comemora o espaço provisório. “Para mim, está ótimo. Graças a Deus, fiquei num local bom”. A feirante pondera que os produtos continuam rendendo um bom faturamento. “Apesar de ser o segundo dia de funcionamento, está bem movimentado. Ainda bem, né, porque precisamos pagar as despesas e ter os lucros”. 

A localização da tradicional feirinha tem agradado também o vendedor de cerâmica, Raimundo Rios, 57. “Eu estou achando legal. A movimentação de clientes está ótima, eu estou vendo que as pessoas estão vindo”. Com expectativas positivas de consumo, ele torce para que até a volta à Beira-Mar a Praia de Iracema “traga retorno para os feirantes e que seja bem produtivo para todos nós”. 
 

Você tem interesse em receber mais conteúdo da cidade de Fortaleza?