Feiras livres têm pouca movimentação durante primeiro dia após decreto de liberação em Fortaleza

Durante retorno das atividades, feirantes devem seguir normas de prevenção ao coronavírus, como distanciamento social, uso de máscara e a limpeza das mãos com álcool em gel

Legenda: Maior parte dos frequentadores utilizava máscaras, apesar de flagras de descumprimento ou uso incorreto.
Foto: Brenda Albuquerque

Com a liberação das feiras livres em Fortaleza conforme decreto estadual do último sábado (12), as atividades retornaram nesta segunda-feira (14) com a obrigatoriedade do cumprimento de medidas de prevenção à Covid-19, como o uso de máscara, o distanciamento social e a utilização de álcool em gel. Contudo, feirantes constataram pouca movimentação em comparação ao período anterior à pandemia. 

Na feira do Henrique Jorge, a feirante Irene Silva, há mais de 20 anos na profissão, lembra que a pandemia suspendeu as atividades de maneira muito repentina. “Pegou todo mundo de surpresa porque teve essa maldita doença e teve a proibição”, compartilha. Sem ter como seguir realizando as feiras, ela trabalhou de forma individual para continuar mantendo uma renda mínima dentro de casa. 

Após o decreto de liberação, se sente feliz e aliviada em poder retornar ao trabalho que estava acostumada. “Vamos tomar toda preocupação, como é de costume, para proteger a gente e os clientes”, declara, consciente em usar a máscara corretamente e ter sempre um pouco de álcool em gel em sua banca.

No entanto, no primeiro dia de retorno oficial, notou movimentação reduzida em comparação aos meses antes da pandemia. “Algumas pessoas ainda não sabem da liberação, mas acredito que depois as feiras voltem ao normal”, finaliza.

A feirante Ana Rosa Viana da Cruz, há dois anos trabalhando no local, segue cuidadosamente o uso de máscara. “Cheguei hoje 6 horas, mas me esqueci. Voltei para casa para pegar, porque tenho meus netos e tenho que proteger eles”, compartilha. Como explica, nem todos têm aparecido com a máscara, mas vê “mais pessoas usando do que sem”.

Da mesma forma, o frequentador da feira, Antonio Luiz Lima da Silva, também tem seguido as determinações sanitárias.

“Isso é importante, porque a doença não acabou. Tem que se preservar, andar com máscara, usar álcool, tudo com cuidado. A doença não acabou, ela vai continuar, enquanto não tiver a vacina está perigosa pegar e falecer”, afirma.

Fiscalização

Desde maio, a Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis) informa que realizou 90 fiscalizações em feiras de rua, responsável por dar apoio à ações de dispersão das forças de segurança do Ceará e de Fortaleza. "Com a liberação da realização de feiras poderão ser realizadas novas operações integradas, entre estado e município, com o apoio da Agefis", declara.

Para denunciar casos de descumprimento das medidas sanitárias, a população pode contactar os órgãos oficiais por meio do telefone 190, segundo a Agefis.

Decreto

Em março, foi determinado o fechamento do comércio no Ceará em decreto estadual, estabelecendo multa diária de R$ 50 mil em caso de descumprimento. No entanto, ao longo de toda a pandemia, foram registradas distintas ocorrências de descumprimento no funcionamento das feiras. 

No início de maio, quatro feiras foram fechadas pela Agefis na Capital. As atividades ao ar livre estavam sendo realizadas no Parque Santa Maria, no Parque Santa Rosa, na Serrinha e no Autran Nunes. Os locais de feiras livres foram monitorados pelas Forças de Segurança.

No mesmo mês, durante o terceiro dia de 'lockdown', dia 10, Fortaleza apresentou bancas montadas em trechos como a Avenida Fernandes Távora e no Bairro Planalto Ayrton Senna, sendo necessária a ação da Polícia Militar para dispersar as aglomerações. O decreto de isolamento rígido havia iniciado dia 8 buscando conter a propagação da Covid-19. 

Plano de retomada

Em junho, o plano de retomada da economia do Ceará teve início, liberando setores do comércio para o retorno gradual das atividades. As feiras livres e o comércio informal seguiam proibidas conforme o decreto de isolamento social do governo para conter a pandemia do novo coronavírus.

Apesar disso, ao final do mês, o SVM flagrou uma feira livre montada no Bairro Cidade 2000, em Fortaleza, assim como aglomerações e uso incorreto de máscara.
 

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza


Redação 30 de Outubro de 2020