Em Fortaleza, família de paciente internado por suspeita de Covid-19 no HGF pede por informações

Há quatro dias, mãe e irmão enfrentam dificuldades para entrar em contato com o parente e acompanhar o quadro da doença  

Legenda: Marlene espera há quatro dias informações precisas sobre quadro de saúde do filho Ricardo

Na última sexta-feira (3), Ricardo, 42, cujo sobrenome a família não quis identificar, foi internado no Hospital Geral de Fortaleza (HGF) com suspeita de Covid-19. O administrador de empresas realizou o teste do coronavírus há 10 dias e segue aguardando o resultado. Conforme o irmão, Eduardo, 45, os familiares buscaram informações na unidade de saúde sobre o quadro do paciente, mas não tiveram muitas respostas. 

“A sensação é de abandono total. Eu tenho uma mãe de 80 anos, que está desesperada na casa dela, de quarentena, sozinha. E a gente não tem informação nenhuma”, compartilha o empresário. Para ele, a situação se torna ainda mais complicada por não ter uma previsão ou prognóstico por parte dos médicos, precisando aguardar que o organismo do paciente reaja ao coronavírus.

No dia 28 de março, Ricardo se encaminhou à Unidade de Pronto Atendimento (UPA), em Fortaleza, apresentando tosse, dor de estômago e tonturas. No local, realizou o exame e retornou para casa, seguindo a recomendação de ficar em quarentena. Na sexta-feira (3), com a recorrência dos sintomas e a permanência da febre, foi levado ao São Carlos e logo encaminhado ao HGF com suspeita de coronavírus. 

A mãe, Marlene, 80, sente que a espera é dolorosa e difícil. "Meu coração está angustiado porque não tenho informação de Ricardo, quando eu fiquei internada ele sempre cuidou de mim, me ajudou muito e agora ele está internado e a gente não consegue nem vê-lo", diz.

Segundo Eduardo, o HGF teria uma orientação estabelecida para que os médicos informassem o quadro dos pacientes com Covid-19 aos familiares. No domingo (5), conseguiu receber informações não oficiais acerca do estado do irmão. "Ele está com ambos os pulmões comprometidos. Fará diálise devido aos rins estarem trabalhando o mínimo. São informações que uma pessoa lá de dentro me passou informalmente. Algo formal, do Hospital, não tem sido feito".", compartilha.

O HGF afirmou que o serviço social e equipe médica estão trabalhando de modo integrado para acolher os familiares e mantê-los informados quanto ao quadro clínico dos pacientes. Acrescentou, também, que estão buscando otimizar o fluxo para garantir eficiência e agilidade à comunicação com os familiares. “É possível que, devido à urgência no pronto atendimento às pessoas com suspeita de Covid-19, ocorra situações de a família precisar aguardar um pouco mais para obter atualização sobre o paciente”, pontua.


Categorias Relacionadas


Redação 07 de Junho de 2020