Covid-19: Ceará ativa Fase 3 de plano de contingência para reduzir intensidade da pandemia

Dentre as recomendações estratégicas, estão a suspensão de atividades coletivas e a ampliação de leitos de UTI para atendimento da doença.

Legenda: Monitoramento e atualização dos protocolos clínicos de testes e diagnósticos são indicadas para lidar com o atual momento epidêmico no Ceará.
Foto: José Leomar

Com Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) lotadas, aumento contínuo e veloz de contaminações e crescimento de óbitos por Covid-19, o Ceará vivencia hoje a fase 3 do Plano de Contingência de Combate à Pandemia no Estado. Essa é a etapa mais severa na dinâmica da pandemia e, conforme o documento da Secretaria Estadual da Saúde (Sesa), requer medidas mais rigorosas diante da “emergência em saúde pública”.

Quando os casos de Covid-19 voltaram a crescer de forma expressiva no Ceará, ainda em dezembro de 2020, a Secretaria publicou uma atualização do plano. À época, o Estado estava na fase 2, caracterizada por “perigo iminente” para uma possível segunda onda. 

Atualmente, o cenário epidemiológico confirma a ocorrência de um segundo ciclo epidêmico. Na fase 3, os focos das ações são a redução da intensidade da pandemia e o retardo no aumento dos casos. Para isso, recomenda medidas mais rígidas que devem ser adotadas pelas autoridades:  

  • Reativação de Postos de Atendimento Médico (PMA) e/ou hospitais de campanha nas regiões de saúde;
  • Ampliação de leitos de UTIs;
  • Manutenção estável do fornecimento de mercadorias e preços para garantir o bom funcionamento;
  • Monitoramento e atualização dos protocolos clínicos de testes e diagnósticos;
  • Aquisição de remédios indicados conforme atualização do tratamento;
  • Redução de cirurgias eletivas;
  • Suspensão de atividades coletivas;
  • Redução de movimento das pessoas;
  • Fechamento de fronteiras;
  • Estabelecimento de barreiras sanitárias.

“O plano é muito dinâmico, do mesmo jeito que as fases são muito dinâmicas. Estamos entrando agora na fase de mitigação, que o grande objetivo é reduzir mortalidade, já que existe transmissão comunitária intensa da doença”, destaca a secretária-executiva de Vigilância e Regulação da Sesa, Magda Almeida.

Cinco fases diferentes

Ela garante que o direcionamento “continua praticamente o mesmo”, apenas atualizando informações como a localização de alguns leitos e recomendações sobre as novas variantes do vírus.

“O plano se baseia em indicadores. As fases já estão dispostas, só estamos ativando ou reativando a depender da quantidade de casos confirmados e de óbitos”, explica Magda. 

Ao todo, o plano estabelece cinco fases de ação, sendo a primeira “alerta” e, as duas últimas, “recuperação” - permitindo a retomada de atividades econômicas e comportamentais - e “desativação”, ainda sem um horizonte porque é ativada somente com a situação “sob controle”.

VACINÔMETRO NO CEARÁ | COVID-19

Um novo decreto do Governo do Estado, que entrou em vigor neste sábado (27), aumentou as restrições de funcionamento do comércio e serviços e contempla parte das recomendações do plano. Além dessas medidas, a gestão busca ampliar a capacidade de UTIs em hospitais, com projeção de chegar a 1.047 unidades até 31 de março.

Veja quais as novas medidas anunciadas:

- Toque de recolher entre 20h e 5h, de segunda a sexta-feira, e entre 19h e 5h aos sábados e domingos, com saídas permitidas somente em situação de comprovada necessidade;

- Comércio de rua funciona de segunda a sexta-feira até as 17h. As outras atividades econômicas e as religiosas, até 19h. Serviços essenciais podem funcionar após esse horário. No sábado e domingo, restaurantes funcionam até as 15h, e outras atividades econômicas e religiosas até as 17h;

- Espaços públicos continuam com circulação restrita todos os dias a partir das 17h;

- Igrejas devem realizar suas atividades com até 30% de sua capacidade, e estimular as celebrações de forma virtual;

- Academias de ginástica devem funcionar com 30% de sua capacidade, devendo fazer o agendamento de horários para o devido cumprimento de todos os protocolos sanitários;

- Continua remoto o trabalho para servidores públicos, com exceção das atividades essenciais. Recomendação para a mesma medida junto ao setor privado;

- Seguem as barreiras sanitárias em Fortaleza, com recomendação para o controle por parte dos municípios no Interior.

No dia 11 de fevereiro, a Assembleia Legislativa do Ceará também aprovou a prorrogação, até 30 de junho, do Decreto Legislativo que reconhece a ocorrência de calamidade pública no Estado devido à Covid-19. O primeiro havia sido estabelecido em 3 de abril de 2020.

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza