Coronavírus: pai aguarda fim da quarentena para reencontrar filho que estuda na Espanha

O país já ultrapassou a China em número de casos do novo coronavírus na última segunda-feira (30), quando registrou um total de 85.195 pessoas infectadas, conforme o Ministério da Saúde do País. O estudante de 20 anos está desde janeiro na Europa 

Legenda: Os sentimentos da família de Tiago são de angústia, medo, preocupação e saudade.

O estudante cearense Tiago Santana, de 20 anos, estuda Engenharia Civil na Espanha e está impossibilitado de reencontrar os pais, que moram no Ceará, por conta da pandemia do novo coronavírus. O país europeu já ultrapassou a China em número de casos do novo coronavírus na última segunda-feira (30), quando registrou um total de 85.195 pessoas infectadas, conforme o Organização Mundial da Saúde (OMS). Enquanto persiste a quarentena e a impossibilidade de o filho voltar ao Brasil, o pai do jovem, o médico José Fábio Basto sonha em reencontrar o primogênito. "Esse momento não sai dos nossos pensamentos, dos nossos sonhos", afirma.

As fronteiras do país estão fechadas desde o dia 15 de março. Os sentimentos da família de Tiago são de angústia, medo, preocupação e saudade. "Será só abrir as fronteiras e iremos no primeiro voo, para vencermos a angústia, aliviarmos a saudade e superarmos o medo. Basta um abraço apertado!", comenta José Fábio.

O intercâmbio para Espanha surgiu na universidade em que ele estudava em Fortaleza. O plano do jovem era seguir no continente europeu até junho, porém tudo mudou com a disseminação do novo coronavírus no país. Tiago não tem previsão para voltar para casa. " O intercâmbio deveria durar cinco meses. Ficamos muito apreensivos. Os rumores da gripe causada pelo SARS-CoV-2 começaram a se acentuar no início de Março. Aumentando, paralelamente, nossa aflição", lembra o médico.

"Não tínhamos ideia de como o problema se agravaria"

Mesmo com a alta taxa de contaminação da covid-19 na Espanha, Tiago decidiu continuar no país e concluir o curso. "Em nenhum momento ele cogitou voltar para o Brasil. No pensamento dele, voltar ao Brasil, seria como uma derrota diante do que já havia alcançado", conta o pai.

Como médico, José Fábio conversa bastante com o filho sobre a gravidade da doença. "Ele estava  decidido a enfrentar a situação e com muita esperança de tudo voltar à normalidade e seguir o curso. Então decidimos apoiá-lo, apesar da angústia de termos perdido nossa zona de conforto", ressalta Dr. José.

Em quarentena, Tiago assiste as aulas à distância. As saídas de casa são mínimas. Contudo, o pai não deixa de repassar os cuidados de proteção para o filho. "Tenha cuidado, lave sempre as mãos, não passe as mãos no rosto, use álcool gel e lave as embalagens. Ele aprendeu até a cozinhar!", descreve.