Comunicado: Doação de leite materno

O período de pandemia tem feito as mães que acabaram de dar a luz e grávidas redobrarem os cuidados. Em contraponto, a situação também aflige aquelas mamães que estão com seus bebês internados e não podem amamentá-los, dependendo da solidariedade de outras genitoras.

Mas, há como ajudar a trazer alento para essas mulheres e a salvar a vida de recém-nascidos que estão em unidades neonatais no Ceará. Mulheres que estão saudáveis e amamentando podem doar leite materno para os bancos de leite da rede estadual.

Um litro de leite materno doado pode alimentar até dez recém-nascidos por dia, sem falar que recebem todos os benefícios do alimento com a doação, proporcionando mais chances de recuperação e protegendo os bebês contra infecções, diarreias e alergias. Para quem pode e quer ajudar, a doação é bem-vinda. Há no Ceará inúmeras mamães que aguardam ansiosamente pela saída de seus bebês de unidades de saúde,

Como ajudar

Para doar leite materno, a doadora deve entrar em contato com os bancos de leite da rede estadual, responsáveis pela coleta do material. Por conta da pandemia, em alguns casos a coleta é feita em casa. No caso de quem vai deixar o material, os profissionais orientam sobre o transporte e conservação do produto.

As mamães podem pedir para alguém ir deixar o material, para se exporem o mínimo possível ao novo coronavírus. Os números disponíveis são: 0800-2804-169 (Hospital Infantil Albert Sabin); (85) 3101-3335 (Hospital Geral de Fortaleza); (85) 3101-5367 (Hospital Geral Dr. César Cals); e (88) 3677-9467/ (88) 98883-4079 (Whatsapp). Os profissionais dos bancos providenciam o cadastro e informam a maneira correta retirada do leite e conservação do material.

Frascos

Caso não possa doar leite e queira ajudar de alguma forma, é possível doar frascos de vidro com tampa plástica rosqueável, como os de café solúvel, para serem utilizados como potes de armazenamento do leite. Para doar os frascos, basta ligar para um dos bancos de leite, que os profissionais orientam sobre o procedimento.

Julho amarelo

Neste mês, a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) iniciou a campanha 'Julho Amarelo', para conscientização e prevenção às hepatites virais. A doença consiste em uma inflamação que atinge o fígado, podendo causar alterações leves, moderadas ou graves no órgão.

Cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras estão entre os sintomas. No entanto, em alguns casos, o paciente pode ser assintomático. Por isso, a necessidade de manter em dia os exames periódicos. Se forem diagnosticadas precocemente, a maioria é curável.