Com missas virtuais e tradições suspensas, Igreja Católica adapta celebrações da Páscoa

Medidas servem para proteger fiéis de contágio durante período religioso

Foto: Foto: Honório Barbosa

Com o encerramento do período de quaresma no dia 9 de abril, a Igreja Católica segue em preparação para celebrar a Páscoa em meio ao avanço da Covid-19. Entre as estratégias adotadas, transmissões virtuais para preservar a saúde dos católicos, em especial dos idosos e aqueles em vulnerabilidade. Os encontros presenciais estão suspensos e as missas são realizadas a portas fechadas. A Arquidiocese de Fortaleza recomenda um guia para adaptações das cerimônias durante o Tríduo Pascal, previsto para começar na quinta-feira da próxima semana. 

Fiéis devem procurar informações junto às paróquias para estar por dentro do esquema de transmissão. Dessa forma, alguns rituais de contato, característicos da Semana Santa, como a tradicional lavagem de pés e a repetição da Via Sacra, estão temporariamente suspensos.

Todas as decisões foram repassadas pela Arquidiocese em um manual de operações, formulado pelo Pe. Rafhael Silva Maciel, Presbítero da Arquidiocese de Fortaleza.  “Infelizmente, muitos estamos impedidos de viver o Dia do Senhor como Dia da Igreja, mas podemos, de algum modo, entrar na comunhão com a Igreja Diocesana e com tantos irmãos espalhados pelo mundo, pedindo ao Senhor que toda essa situação venha a ter logo um bom termo”, lamenta o padre. 

Outros procedimentos também foram afetados para evitar o contágio entre os líderes religiosos. A equipe, presente durante as missas, deve se atentar ao compartilhamento de cálices e demais materiais. Os realizadores precisam evitar ainda o “abraço da paz”, bem como optar por receber a comunhão na mão e não diretamente na boca. 

Além das penalidades civis, previstas pela determinação de isolamento social do Governo do Estado, a comunidade que desobedecer as orientações podem sofrer ainda penitências religiosas. Em casos graves, a situação pode evoluir para suspensão temporária do sacerdócio.

Confira as principais mudanças:

Na Quinta-feira Santa (9):

Nas catedrais e paroquiais pode ser celebrada a Missa na Ceia do Senhor em lugar adequado e sem a presença de fiéis. Também não deve ser realizado o ritual do lava-pés, além da procissão tradicional. O Santíssimo Sacramento deve permanecer no Sacrário.

Na Sexta-feira Santa (10):

Bispos e párocos devem celebrar a Paixão do Senhor com “intenção especial pelos doentes, pelos defuntos e pelos doloridos que sofreram alguma perda”.

Domingo de Páscoa (12):

A Vigília Pascal deve ser celebrada apenas nas igrejas catedrais e paroquiais. Para o “Início da vigília ou Lucernário”, deverá ser acendido o círio sem a realização da procissão tradicional.

Unção

Neste momento de cuidados com a pandemia de Covid-19, um dos pedidos da Arquidiocese é atenção especial às vítimas e às equipes de suporte aos enfermos. Uma unção especial será oferecida aos doentes e a quem sofreu perdas devido o avanço do vírus. 

O guia recomenda, ainda, que a Indulgência Plenária, voto de absolvição dos pecados no dogma católico, seja oferecido àqueles que estão doentes em quarentena, desde que estejam acompanhando a Santa Missa e as demais celebrações, e tenham praticado algum rito católico em algum momento da vida. Agentes de saúde e familiares, na linha de frente dos cuidados com a doença também devem receber o voto.