Com lockdown, Fortaleza tem sábado com menor tráfego de veículos desde início do isolamento

Apesar do resultado, superintendente da AMC afirma que as Regionais I e V ainda não atingiram a diminuição esperada no volume de circulação

Legenda: Tráfego na Avenida Beira-Mar, por exemplo, diminuiu consideravelmente desde sexta-feira.
Foto: Foto: Paulo Alberto

O volume de tráfego de veículos em Fortaleza atingiu redução de 64% neste sábado (9), a maior desde o início do isolamento social, em 20 de março, segundo a Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC). O percentual estava na ordem de 52% no sábado anterior, dia 2 de maio. O órgão considera que o lockdown iniciado na Capital na sexta-feira (8) para frear a disseminação da Covid-19 já mostrou efetividade na queda de circulação de veículos.

“Isso é em relação a todos os sábados normais anteriores à pandemia. Nos sábados antes do isolamento mais rígido, a gente tinha média de redução de 52%. Ontem, reduzimos para 64%. Tivemos uma adesão de mais de 20% por parte da população”, observa Arcelino Lima, superintendente da AMC. Ele ressalta que a meta é chegar aos 70% de diminuição.

Apesar do resultado, o superintendente afirma que na região Oeste da cidade, nas regionais I e V, a redução ainda não chegou ao nível esperado. “Vamos seguir nessas áreas com os bloqueios, onde tem sido muito boa a resposta da população, nas abordagens educativas sobre uso da máscara e a necessidade de permanecer nas residências”, afirma.

A maior redução no trânsito da Capital havia sido no sábado de 28 de março, quando a cidade registrou diminuição de 61%. Contudo, nos sábados seguintes, os valores oscilaram para mais até atingirem seu pior resultado, justamente no dia 2 de maio - refletindo a menor adesão ao isolamento social recomendado pelas autoridades sanitárias.

Somente os essenciais

Segundo Arcelino, os números fazem crer que os decretos do governador e da Prefeitura “tiveram muito apoio e respeito da população e acompanhamento das forças amigas”, que englobam ainda a Guarda Municipal, a Polícia Militar, o Departamento Estadual de Trânsito (Detran-CE) e a Agência de Fiscalização (Agefis).

Mortes por Covid-19 em Fortaleza

O superintendente lembra que, conforme descrito no decreto, só podem sair de casa pessoas que vão a serviços essenciais, como alimentação, farmácia e veterinário, além de profissionais da saúde, da segurança pública e servidores públicos.

“Uma das nossas preocupações é não gerar transtornos para os serviços de emergência, principalmente ambulâncias, por isso o formato dos bloqueios preserva uma área de escape. O agente de trânsito fica atento para, sendo um veículo de emergência ou profissional de saúde identificado, ele furar a fila e seguir com a maior brevidade possível”, explica.

Cenário na Capital

Neste domingo de Dia das Mães, Fortaleza atingiu 832 óbitos e 11.421 casos confirmados de Covid-19, de acordo com a plataforma IntegraSUS, da Secretaria Estadual da Saúde (Sesa). Outros 18,6 mil casos seguem em investigação. A taxa de letalidade está em 7,3%.

Além das restrições nos deslocamentos, o uso de máscaras se tornou obrigatório para quem sair de casa. O lockdown em Fortaleza segue até o dia 20 de maio, para conter o avanço da Covid-19. O Ceará ultrapassou a marca de mil mortes pela doença neste sábado (9). Até a tarde deste domingo, a doença pandêmica vitimou 1.102 pessoas em todo o Estado.

Rodovias estaduais

Divulgado no dia 4 de maio, um relatório de monitoramento do Detran-CE revelou um crescimento gradual no fluxo de veículos em 10 trechos de rodovias estaduais que cortam Fortaleza e Região Metropolitana. A maior contagem foi no trecho da CE-040 no Eusébio, onde o fluxo aumentou 19%. No dia seguinte, o Governo do Estado endureceu as regras do isolamento.