Capitania dos Portos alerta para ressaca do mar no litoral cearense

De acordo com a previsão, as ondas podem chegar a 2,5 metros até terça-feira (11)

Escrito por Redação,

Metro

Ondas com altura superior a 2,5 metros podem trazer riscos aos banhistas, especialmente na Praia do Futuro, nesta terça-feira (11), segundo a Capitania dos Portos do Ceará (CPCE). Os navegantes do litoral do Ceará também devem ficar alertas à ocorrência de ressaca com ondas de 2,5 metros, entre Natal, no Rio Grande do Norte, e São Luís, no Maranhão, até as 21 horas desta terça-feira (11).

De acordo com previsão da Fundação Cearense de Meteorologia (Funceme), até a segunda-feira (17), as ondas continuam altas e podem chegar a 3,2 metros no Porto do Mucuripe, em Fortaleza. A previsão também é de ventos fortes, de força 7, que podem ir de 50 e 61 quilômetros por hora entre Natal e São Luís até às 21 horas desta segunda-feira (10). 

A Capitania dos Portos do Ceará recomenda que as embarcações de pequeno porte evitem navegar nestes dias e que as demais embarcações redobrem a atenção quanto ao material de salvatagem, estado geral dos motores e casco, bomba de esgoto do porão, equipamentos de rádio e demais itens de segurança. 

Perigos 

A força da ressaca costuma alagar avenidas e danificar construções à beira-mar. Foi o que aconteceu em fevereiro de 2015, quando um trecho da Avenida Beira Mar, entre as ruas José Vilar e Nunes Valente, ficou alagado com a ressaca do mar no dia 20 do mesmo mês. Motoristas tiveram dificuldades de passar pelo local, que concentra hotéis e restaurantes. Mesmo com o alagamento, a área não foi interditada. Dois dias depois, o capitão de um cruzeiro atracado no Porto do Mucuripe optou por não desembarcar 360 turistas em Fortaleza por causa dos riscos da ressaca do mar. As ressacas também podem causar mortes, existem relatos de banhistas tragados pelo mar e levados para longe da praia pelas fortes correntes marítimas.  

Ressaca 

Ressaca é o aumento da atividade marítima litorânea em decorrência da atuação de rajadas de vento geladas e fortes em alto mar. Esses ventos, geralmente trazidos por uma frente fria, criam correntes intensas que transportam uma enorme quantidade de água, fazem subir o nível do oceano e aumentam, ainda em mar aberto, o tamanho das ondas. Impulsionada pelas correntes marítimas, a massa de água percorre  com velocidade crescente até o litoral. Ao chegar à praia, o mar agitado inunda a faixa de areia e as ondas quebram violentamente bem próximas da orla. No Brasil, as ressacas podem ocorrer dezenas de vezes por ano, mas já é possível prevê-las até cinco dias antes.