Cagece reduz consumo em 8,8%, mas continua longe de atingir a meta estabelecida

Apesar da meta de 20% de redução ainda não ter sido atingida, a Companhia avalia como positiva o resultado do mês passado

Escrito por Redação,

Metro
Em dezembro último, Fortaleza e Região Metropolitana reduziram em 8,8% o consumo médio de água. Foi o maior índice desde que a Companhia de Água e Esgoto do Estado do Ceará (Cagece) estabeleceu a chamada tarifa de contingência, um mês antes. Outro dado significativo é que o consumo individual, por ligação de água, foi o menor dos últimos três anos.
 
O percentual de redução equivale a 1,06 milhão de metros cúbicos a menos que a média utilizada para o cálculo da tarifa de contingência. Apesar da meta de 20% de redução ainda não ter sido atingida, a Companhia avalia como positiva o resultado do mês passado, quando 32 mil clientes deixaram de pagar a tarifação extra, em comparação ao mês de novembro de 2015. A cobrança foi aplicada a aproximadamente 244 mil clientes de Fortaleza e RMF em dezembro.
 
Para o gerente de concessão e regulação da Cagece, João Rodrigues Neto, o resultado indica uma maior conscientização da população em relação a crise hídrica no Estado. “Eu acho que no fim do ano as pessoas viram a situação crítica que se encontram os nossos mananciais, como o Castanhão, com apenas 5% da captação; a campanha que o Governo do Estado fez, isso contribuiu bastante. As pessoas se conscientizaram um pouco mais”, avalia.
 
Acumulado
 
A economia de água do ano todo equivale a 7,9 milhões de metros cúbicos, o que corresponde ao volume de água consumido em dezembro pelos clientes da Capital. Somente no mês passado, a Cagece conseguiu arrecadar R$ 8,1 milhões com a tarifa de contingência. O acumulado do ano rendeu cerca de R$ 72,8 milhões a empresa.