Após 'vaquinha' para traslado, corpo de cearense que morreu no RJ é velado em Maracanaú

Sem condições de transportar corpo, família pede ajuda e consegue recursos para traslado

Escrito por Redação,

Metro
Legenda: O cearense Flávio Rodrigues morreu no último dia 7, no Rio de Janeiro, após um Acidente Vascular Cerebral (AVC)
Foto: Foto: Halisson Ferreira

O corpo de Flávio Rodrigues dos Santos, cearense que morreu no Rio de Janeiro, está sendo velado na manhã deste sábado (14), em Maracanaú, após a família realizar uma 'vaquinha' para o transporte do corpo. Flávio, de 39 anos, era cozinheiro e morreu no último dia 7, por causa de um Acidente Vascular Cerebral (AVC). 

Segundo a irmã de Flávio, Lucijane Rodrigues, o valor de R$ 6 mil do transporte foi custeado pela 'vaquinha' e pela prefeitura de Maracanaú. De acordo com a prefeitura, a família do cozinheiro procurou o órgão na última segunda-feira (9) e os trâmites para o transporte foram concluídos na quinta-feira (12). 

O Hospital Municipal Salgado Filho, unidade do Rio de Janeiro onde Flávio estava hospitalizado, deu um prazo de 15 dias para a retirada do corpo, que foi feita em uma semana. Antes de falecer, Flávio passou mais de um mês internado no hospital.

Em outubro, ele passou cerca de três dias desaparecido e sem contato com a família. O cearense foi encontrado na rua, com perda de memória e sem pertences, por uma mulher, que divulgou nas redes sociais até que chegasse à família. Ele foi levado ao hospital e teve a companhia de uma das irmãs, após familiares, amigos e vizinhos ajudarem para a compra da passagem.

Hospitalizado 

O cearense Flávio Rodrigues passou duas vezes pela Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no período que ficou internado no hospital do Rio de Janeiro, conforme Lucijane Rodrigues, uma das irmãs de Flávio. Na última semana, Flávio apresentou uma melhora no quadro clínico e receberia alta.

"Ele começou a falar com a gente por vídeo. Nega, eu vou voltar! Ele dizia para mim", lembrou a irmã. Contudo, segundo ela, ele começou a ter uma coceira e foi medicado. Flávio passou a sexta-feira (6) dormindo e sem reações. 

Durante a noite, o cearense teve uma convulsão, mas não foi encaminhado para UTI, permaneceu na enfermaria do hospital. "Quando foi sábado, umas seis, sete horas da manhã, ele começou a vomitar sangue, sair sangue pelo ouvido", relatou. 

O enterro vai ser  no cemitério São José, em Piratininga, distrito de Maracanaú.   

Assuntos Relacionados