Após série de trocas com relação à identificação, idosa morre em UPA por insuficiência respiratória

A mulher deu entrada na Unidade após apresentar sintomas da Covid-19 no dia 14 deste mês. Ela estava em coma desde o dia 18

Legenda: Os familiares foram informados por volta das duas manhã sobre a morte de Maria José
Foto: Arquivo pessoal

A idosa Maria José de Olivindo Vasconcelos, 76, que estava internada desde o último dia 14 na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Edson Queiroz, faleceu na madrugada desta sexta-feira (22). Os familiares da Maria José relataram uma série de enganos e trocas com relação à identificação dela. A senhora deu entrada na Unidade após apresentar sintomas da Covid-19. Procurada, a Secretaria Municipal de Saúde informou que as informações pessoais dos pacientes são divulgadas exclusivamente por familiares ou responsáveis.

 

Os familiares foram informados por volta das duas manhã sobre a morte de Maria José, conforme a nora, a dona de casa Patrícia Alves Almeida Vasconcelos,36, a causa da morte da idosa foi insuficiência respiratória grave. Maria José estava em coma desde o dia 18 deste mês, quatro dias após dar entrada na UPA.

A nora Patrícia relata que a sogra foi levada à UPA, pelos filhos, com falta de ar. “Depois que foi atendida, ela ficou sentada na cadeira sem o menor apoio para ficar no oxigênio”. A dona de casa relata ainda que Maria José, já cansada, ficou na mesma cadeira por quatro dias. “Por vezes, ela chegou a pedir para deitar no chão”, conta.

Durante os primeiros quatro dias que a idosa ficou internada, os familiares dizem que não recebiam informações sobre o estado de saúde dela.  “Em um dos dias, meu esposo pode visitá-la e notou que a etiqueta de identificação dela estava errada. O nome dela não era aquele descrito acima da cadeira dela”, diz. No momento, Patrícia acrescenta que o esposo solicitou a troca de nomes a um funcionário, mas teve que sair antes de ser alterado.

No dia 19, a família recebeu uma ligação da UPA para que eles fossem até o local, mas não deram detalhes sobre o que se tratava. "Não disseram detalhes sobre o assunto. Todo mundo já pensava que o pior tinha acontecido”, ressalta. Quando chegaram ao local, contudo, a assistente social informou que houve um engano. “Pediram desculpa e falaram que tinha falecido uma senhora com nome semelhante ao da minha sogra”, conta. A família começou a ficar em “pânico com tantos erros de identificação”, pontua.

Mortes por Covid-19 em Fortaleza

Questionada,  a SMS informou que o responsável pela idosa, recebeu pessoalmente o boletim médico, na quarta-feira (20). “Ressaltamos que desde a sua entrada na unidade, não houve nenhuma internação de paciente com nome igual ou semelhante. Os contatos realizados abordam exclusivamente sobre a paciente em questão. Não havendo assim, por parte da unidade, ligações sobre outros pacientes”, diz a nota.

A Pasta também comunicou, em nota, que os familiares da paciente Maria José Olivindo estão “recebendo atualizações constantes sobre o quadro clínico da paciente, que está internada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA), localizada no bairro Edson Queiroz”.