Alunos de escola pública produzirão filme para abertura do Cine Ceará 2019

A animação tem como tema igualdade de gênero e os alunos já estão recebendo oficinas de formação

Legenda: Os estudantes devem conhecer diversas fases do processo produtivo de curta-metragem de animação.

Jovens estudantes de Fortaleza, além das aulas tradicionais de português e matemática, devem receber formação para uma atividade digna das telas de cinema com o projeto Compartilha Animação. Cerca de 100 alunos de escolas públicas da cidade participam de oficinas sobre roteiro, produção e técnicas da cinematografia para a realização de curta-metragem sobre igualdade de gênero.

Um grupo de 10 alunos será selecionado para produzir a animação, que deve abrir a 29º edição do Cine Ceará, em setembro, no Cineteatro São Luiz. As oficinas se encerraram na segunda-feira (17) e a iniciatva agora está em fase de seleção dos alunos. “Eles vão aprender o que é animação, as técnicas, os materiais, equipamentos, eles vão ter essas experiências”, conta o professor e cineasta, Telmo Carvalho, que ministra as oficinas. Ele explica que as atividades envolvem o uso de brinquedos ópticos, equipamentos inventados antes da fotografia, bloquinhos animados e a fotografia de desenhos.

Legenda: Os estudantes, acostumados com televisão, jogos e computadores, aprendem técnicas que começam com papel e caneta.

Quem está entusiasmada com o projeto é a estudante Maria Eduarda Rodrigues, de 16 anos, da Escola Professor Aloysio Barros Leal, no Barroso. “Passaram na minha turma perguntando quem tinha interesse (de participar) e eu fui por curiosidade”, conta a adolescente que cursa o 2º ano do ensino médio. Sobre as atividades, ela diz que já realizou desenhos para a produção da animação. “Eu acho interessante porque faz com que a gente tenha um conhecimento e exercita a criatividade”, destaca.

Maria Eduarda diz que a importância do tema está em desfazer a ideia que um indivíduo é superior a outro por conta da diferença de gênero. “Eu gostei desse tema, é uma atualidade, eu acho interessante a gente abordar esse tema. Todo mundo é capaz de fazer qualquer coisa independente do sexo”, pontua. Ela conta que seus colegas são talentosos e que está com boas expectativas para participar das próximas fases.

Os bastidores da produção

Na Casa Amarela Eusélio Oliveira, da Universidade Federal do Ceará (UFC), os estudantes selecionados devem passar um mês preparando um curta-metragem, de até cinco minutos, sobre o tema Igualdade de Gêneros. “É uma tema com um leque de possibilidades, eu acho importante a juventude colocar a ideia deles”, pontua o professor Telmo Carvalho. A estreia do filme será para uma plateia cineastas, estudantes universitários e o público em geral no Cineteatro São Luiz no dia 31 de agosto, na abertura oficial do 29º Cine Ceará. 

Legenda: O professor Telmo Carvalho conta que o mercado de animação está em ascensão e que alguns participantes de edições anteriores já estagiam na área.

Telmo explica que foi planejada uma logística para buscar e levar os estudantes além da promoção de palestras sobre o tema para contextualizar os jovens. Para a prática, o cineasta conta que será feita como em um estúdio tradicional, com divisão em produção e roteirização. Sobre a exibição do produto final, Telmo diz que “vai ser uma noite que esses alunos não vão esquecer tão cedo.”

Edição do projeto

Nesta edição, participam a Escola Dom Helder Pessoa Câmara, no Siqueira, a Escola Municipal Taís Maria Bezerra Nogueira, no Jangurussu e a Escola Professor Aloysio Barros Leal, no Barroso, onde já foram ministradas oficinas. Além da Escola de Tempo Integral Maria Odete da Silva Colares e Escola Governador Virgílio Távora, ambas em Messejana. Juntas, as cinco escolas envolvem o total de 100 estudantes no projeto. O projeto atingiu mais de 2 mil crianças de escolas públicas de Fortaleza e cidades do interior do Estado, ao longo de cerca de dez anos.

 



Redação 03 de Julho de 2020