93 dos 121 bairros da Capital têm casos confirmados de Covid-19

Óbitos em decorrência do novo coronavírus também se espalham pela cidade de Fortaleza e já atingem 18 bairros; Ao mesmo tempo, outras 19 mortes suspeitas estão sendo investigadas pela Secretaria da Saúde do Estado

Legenda: Em expansão na capital cearense, doença já chegou a mais de 90 bairros; muitos deles periféricos
Foto: Foto: Carlos Marlon

A Célula de Vigilância Epidemiológica de Fortaleza confirmou, em entrevista coletiva online nesta segunda-feira (6), que 93 dos 121 bairros de Fortaleza já apresentam casos confirmados da Covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus; a infecção atinge cerca de 77% da Capital. A afirmação foi dada pelo titular da Célula, Antônio Lima, o qual acrescentou que os óbitos provocados pela infecção se espalham por, pelo menos, 18 dessas localidades.

No dia 1º de abril, há seis dias, a Secretaria Municipal de Saúde de Fortaleza (SMS) afirmou que as confirmações se estendiam por mais de 50 bairros, nos quais 13 apresentavam registros de mortes por causa da doença. No dia 21 de março, ou seja, há pouco mais de duas semanas, eram apenas 19 bairros com casos confirmados. Naquele dia, nenhum óbito havia sido registrado.

> Veja cobertura sobre o novo coornavírus

> Estado tem quase 8 mil ocorrências por descumprimento de decreto de isolamento social

"Não seria mais cabível falar de cordão sanitário por bairro de Fortaleza porque já temos o padrão de transmissão sustentada em várias áreas", ressaltou Antônio Lima, ao explicar que a medida de isolamento geográfico dessas localidades com maior taxa de incidência (como Meireles, Cocó, Aldeota e Dionísio Torres) é ineficaz por causa da circulação viral que já atinge toda a cidade.

O Ceará atingiu o número de 31 óbitos causados por Covid-19, nesta segunda-feira (6). Conforme a plataforma digital IntegraSUS, da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa-CE), a capital cearense registra o maior número de mortes, sendo 24, e também o maior número de casos, chegando a 925. Ao todo, o Ceará tem 1023 casos, de acordo com a última atualização da plataforma.

O titular da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), Carlos Alberto Martins Rodrigues Sobrinho, o Dr. Cabeto, concordou com o ponto de vista e disse que há ações "muito mais eficazes" a serem implementadas. Ele também negou a possibilidade de isolamento de municípios por causa da dissipação do vírus, cuja circulação já ocorre em, pelo menos, 36 cidades, conforme a última atualização da plataforma de saúde digital IntegraSUS, do Governo do Estado.

Óbitos suspeitos

Durante o dia, a Sesa atualizou o número de óbitos provocados pela infecção do novo coronavírus. Entre o domingo (5) e ontem (6), foram cinco novas mortes confirmadas, fazendo com que o número passasse de 26 para 31. Com o novo boletim, foram acrescentados mais quatro óbitos em Fortaleza e um na cidade de Iguatu, no Centro-Sul do Ceará.

Além dos falecimentos já confirmados, a secretária executiva de Vigilância e Regulação da Sesa, Magda Almeida, afirmou que a Pasta ainda investiga 19 mortes como suspeitas. Segundo ela, a vigilância está aguardando o resultado dos exames dessas suspeições, "então pode ser que a gente tenha algumas confirmações mais para amanhã de manhã (hoje, dia 7), quando a gente atualiza o IntegraSUS".

Aquisições

Durante a coletiva digital, Dr. Cabeto informou que o Governo do Estado adquiriu, aproximadamente, 270 toneladas de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para profissionais de saúde que estão atuando no combate à Covid-19, além de 300 mil novos testes rápidos para identificação do vírus. Conforme o titular, os materiais foram comprados da empresa chinesa Medical Health Company e devem chegar até o dia 15 de abril.

Para o mesmo prazo, está prevista a possível chegada de 100 respiradores. No fim do mês abril, devem chegar no Ceará mais 400 desses equipamentos. "Isso é muito importante para a infraestrutura da nossa rede no Ceará para que a gente possa suprir essa organização", pontuou o secretário da Saúde.

Expansão

Conforme Dr. Cabeto, os casos de maior complexidade em Fortaleza serão tratados no Hospital Leonardo Da Vinci - que irá dispor, até o fim do mês, de 234 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) - e no Instituto Dr. José Frota 2 (IJF-2), que já tem 30 leitos de UTI disponíveis, de acordo com a SMS. Até o dia 20 de abril, a estimativa é que o quarto andar da unidade complete a infraestrutura com mais 20 leitos; chegando a 94 no fim do mês.

No hospital de campanha instalado no Estádio Presidente Vargas (PV), a estimativa é que até o dia 20 de abril, 204 leitos de internação, para casos menos complexos, estarão funcionando. Se houver necessidade, a Secretaria Municipal já dispõe de infraestrutura para ampliá-los para 306.

De acordo com o secretário da saúde, fora da Capital, os hospitais regionais de Sobral, Quixeramobim e Juazeiro do Norte serão as unidades hospitalares de referência nas suas regiões para o tratamento da Covid-19 de alta complexidade. Segundo o gestor, são "200 novos leitos de doentes críticos para servirem inicialmente agora em abril".

Unidades para pacientes de complicação intermediária também serão estruturadas nas cidades de Maracanaú,Caucaia, Aracati, Crateús, Iguatu, Icó, Brejo Santo, Itapipoca e Tianguá.

Hospitalização

A plataforma IntegraSUS atualizou, ainda ontem, o acompanhamento das internações no Hospital Leonardo Da Vinci. De acordo com o boletim, 33 leitos da unidade estão ocupados por pacientes da Covid-19; 22 estão em leitos de enfermaria e 11 em UTI.

Segundo a plataforma, a ocupação na unidade é de 15,71% da capacidade. Segundo a plataforma, foram registrados quatro óbitos na unidade e 12 altas hospitalares. O tempo médio de internação no Leonardo da Vinci é de 4,81 dias. Já no IJf-2, de acordo com a titular da SMS, Joana Maciel, dos 30 leitos de UTI, 23 estão ocupados por pacientes internados com a Covid-19.



Roberta Souza 30 de Maio de 2020