Tom Barros: Vantagem de Lisca diante dos times do Rio de Janeiro

Hora de acionar a galera alvinegra. Inflá-la de entusiasmo e apoio irrestrito neste aperto sequenciado, sem tempo para respirar. Mas para que respirar se a tabela não permite. É tirar tudo de um fôlego só como quem mergulha. Segura e vai. Hoje mais um carioca pelo caminho. Nada não. Depois que o técnico Lisca assumiu, o Ceará não perdeu para nenhum time do Rio de Janeiro. Ganhou do Flamengo no Maracanã (0 x 1). Ganhou do Fluminense no Estádio Presidente Vargas (1 x 0). Empatou (1 x 1) com o Botafogo no Engenhão. E empatou (1 x 1) com o Vasco em São Januário. A única vitória carioca aconteceu no Castelão: Ceará 0 x 3 Flamengo no tempo em que o Vozão era treinado por Marcelo Chamusca. Claro que estatística não entra em campo quando a bola rola. Mas serve de referência. Há que se respeitar o Botafogo. É um dos grandes do futebol brasileiro. Mas, pelas circunstâncias atuais, dá para o Vozão encarar sem os temores de outrora. Toda atenção em Luís Fernando e Kieza. Esses dois foram destaque do Botafogo no empate com o Vasco (1 x 1) no Engenhão. Luís Fernando é habilidoso, escorregadio. Kieza é uma flecha. Alerta geral ao sistema de marcação do Ceará.

De olho no Paysandu

O Fortaleza abusou de perder gols no empate com o Oeste. Ederson duas vezes, Ligger, Marcinho duas vezes e Gustavo. Verdade que o goleiro Tadeu teve méritos, segurando o resultado sem gols, mas não custa nada um pito para os atacantes tricolores prestarem mais atenção na hora das conclusões. Isso não pode acontecer sábado diante do Paysandu.

Movimentação

A presença de Ederson no ataque tricolor deu maior movimentação à linha de frente. Gustavo fica mais fixo e não tem o mesmo trato com a bola que Ederson tem. São estilos diferentes. Ótima a experiência feita por Rogério Ceni que agora, na prática, sabe ter mais uma alternativa para mudar a forma de jogar do Leão.

Observações

Se o voleio de Ederson tivesse sido convertido em gol, teria sido o mais bonito da rodada. /// O goleiro Tadeu, do Oeste, estava com o corpo fechado. Naquele jogo nem de pênalti a bola tricolor entraria. /// Boeck fez duas notáveis defesas. A lambança que ele fez depois fica perdoada pela primeira defesa na qual de forma arrojada evitou o gol de Mazinho.

Pílulas

Ausência sentida

A cláusula que impediu a presença de Leandro Carvalho hoje diante do Botafogo reduziu muito o potencial de ataque do Vozão. Foi Leandro quem fez os gols das vitórias do Ceará sobre Fluminense no PV e sobre o Flamengo no Maracanã. Logo...

Afirmação convincente

A convicção com que Lisca se referiu à presença de Eduardo Brock dá a certeza de que o Vozão não se ressentirá da ausência de Luís Otávio, o gigante da defesa do Ceará, máxime quando o time reabilitou-se após a Copa. Substituir Luís Otávio é responsabilidade dobrada.

Vai e vem no Ferrão

O Ferroviário emprestou cinco jogadores ao Icasa para disputar a pré-Copa do Nordeste Sub-20, mas, como o Verdão do Cariri empatou por 2 a 2 no tempo normal e perdeu nos pênaltis (4 a 2), para o Sampaio Corrêa/MA no , sábado passado, Jéfferson (goleiro), Esquerdinha, Ruan, Cairo e Jônatas vão regressar. O Ferrão emprestou outros três para o Pacatuba

Koscielny se aposenta da França

"Os Bleus acabaram", declarou ontem o lateral francês Laurent Koscielny, que sofreu grave lesão antes da Copa da Rússia-2018 e não participou do título da França. Antes da lesão, o jogador do Arsenal já tinha anunciado que deixaria a seleção após o mundial. No entanto, uma ruptura no tendão de Aquiles o impediu de fazer parte do grupo campeão

Quero receber conteúdos exclusivos de esporte

Assuntos Relacionados


Tom Barros 17 de Outubro de 2020