Tom Barros: O jeito cearense de reagir no futebol

Que torcedor do Corinthians poderia imaginar empate em Itaquera, após aplicar 2 a 0 no Ceará logo no primeiro tempo? Nenhum. O prenúncio era de banho de bola corintiano no segundo tempo. Mas não foi assim. O Vozão foi gostando do jogo. Diminuiu com Thiago Galhardo (2 x 1). Empatou com golaço de Leandro Carvalho (2 x 2). E quase virou numa finalização de Galhardo no último minuto. A torcida corintiana silenciou.

Do entusiasmo à frustração, o empate e quase derrota do Corinthians mostrou que a forma de reagir dos cearenses não permite soberba nem acomodação, por maior que seja a vantagem. Foi assim com o Fortaleza em Santos, foi assim com o Ceará na Arena Corinthians. O tabu continua: em três jogos lá, o Ceará não sabe o que é derrota. Empatou (1 x 1) em 2018, ganhou (1 x 2) em abril deste ano e agora voltou a empatar (2 x 2). Digna de todos os encômios a reação do Ceará porque mostrou personalidade, categoria e força física. Não se intimidou com a desvantagem no placar nem com a superlotação do estádio. Foi à luta na fase final, jogou melhor e quase virou. Um Ceará altivo, brioso, que encheu de orgulho a sua imensa torcida.

Golaço

Que golaço olímpico o de Leandro Carvalho. Gol raramente visto pelos gramados do mundo. A bola, numa trajetória traiçoeira, enganadora, deixou no chão, esparramado, o grande goleiro Cássio. Mais um notável feito de Leandro, tipo o que também silenciou a torcida do Flamengo na vitória do Vozão em pleno Maracanã, em 2018.

Tropeço

O Fortaleza jogou melhor. O Fluminense venceu. O Leão dominou e criou todas as situações de gol. O goleiro do Fluminense, Muriel, pegou todas. Dia em que sorte e competência se juntam e ficam de um lado só. Ficaram com o Fluminense. João Pedro fez o gol da vitória e a festa do time carioca.

Injusta vitória

Num balanço isento, o Fortaleza não merecia perder. A vitória do Fluminense foi injusta. Acontece. As conclusões do Fortaleza foram corretas, mas esbarraram num dia em que Muriel estava iluminado, sendo o melhor da partida. Não há motivo para o Leão deixar fugir a confiança. Verdade que perdeu a chance de avanço significativo diante de um Fluminense em crise, mas lamentavelmente isso faz parte.

O empate de Ceará em Itaquera (2 x 2), da forma como aconteceu, deu ao técnico Enderson Moreira fôlego para sair da pressão que o levaria a situação insustentável em caso de derrota, que seria a quarta seguida. Ele ganha também tranquilidade para trabalhar, visando ao jogo diante do Botafogo, no Castelão.

Novo tropeço do Vasco da Gama dentro de São Januário. É incrível a oscilação vascaína. Quando tudo indica que vai engrenar, como na vitória sobre o São Paulo, aí o time perde duas partidas seguidas, ou seja, uma para o Cruzeiro e outra para o Bahia. De qualquer forma, para quem já foi lanterna, fica o consolo.

Você tem interesse em receber mais conteúdo de esporte?