Tom Barros: A caminhada do Fortaleza sem o Mito

Legenda: Rogério Ceni trocou o Fortaleza pelo Cruzeiro
Foto: Kid Junior

Sábado próximo, já com o novo técnico Zé Ricardo, o Fortaleza enfrentará o Internacional (8º, 21 pontos) no Castelão. Depois, antes da "virada da montanha", isto é, a passagem para o returno da competição, terá de encarar o Santos na Vila Belmiro. Aí voltará para casa, onde fará dois jogos no Castelão: o primeiro contra o Goiás e o segundo diante do Fluminense. Na 19ª rodada, a que encerra a primeira volta da Série A 2019, jogará com o Bahia na Fonte Nova.

Com os chamados times médios, Goiás e Bahia, predomina a necessidade de vitória porque teoricamente concorrentes diretos do Leão. Contra Internacional, Santos e Fluminense, embora mais difícil o desafio, pontuar será preciso. O Fluminense faz campanha inferior à do Leão, mas tem história. Vale advertir: quando o Vasco estava na zona de rebaixamento, veio ao Castelão e arrancou um empate do Fortaleza. Na época, o mito Rogério Ceni ainda estava no comando. A vitória do Leão sobre o CSA, apesar da fragilidade do adversário, foi importante porque a primeira prova sem Rogério Ceni. Agora começa uma outra história. Zé Ricardo está aí. Engajamento de todos é preciso.

Afirmação

O atacante do Ceará, Felippe Cardoso, vem ganhando espaços na equipe. Mais que espaços na equipe, vem alcançando afirmação aos olhos dos torcedores. Sua apresentação na goleada sobre a Chapecoense chamou a atenção de todos. Apesar de Thiago Galhardo ter sido o destaque maior pelos três gols, Felippe foi guindado ao mesmo patamar, já pela bela atuação.

Melhor

Há que entenda que Felippe Cardoso teve até participação mais importante que Galhardo na produção alvinegra, quando da vitória sobre a Chapecoense. Quem compreendeu assim foi o comentarista Wilton Bezerra, embora este tenha reconhecido que os três gols de Thiago Galhardo deram ao goleador maior evidência.

Crescimento

Restou provado que, com a chegada de Lima, a lucidez foi ampliada no setor criativo do Ceará. Aliás, esse fato já era esperado. A qualidade técnica de jogadores como Lima, Wescley, Ricardinho e Thiago Galhardo garantem elevado padrão. Expectativa sobre o jogo com o São Paulo no Morumbi.

Eles estão subindo. O Vasco já foi lanterna. Hoje já é o 15º, com 17 pontos, o mesmo número de pontos do Grêmio, Goiás e Fortaleza. O Grêmio já esteve na zona de rebaixamento, mas hoje ocupa o 14° lugar. Como não estamos sequer na metade do campeonato, são boas as possibilidade de ambos subirem mais ainda.

Amplas são as possibilidades de queda do Avaí (lanterna) e do CSA (vice-lanterna). Em 14 rodadas, o Avaí não ganhou um jogo. O CSA ganhou um. Pelo visto não faltará emprego para o treinador Luiz Carlos Cirne Lima de Lorenzi, o Lisca, especialista em salvar times que estão à beira do abismo.

Quero receber conteúdos exclusivos de esporte