Sistema defensivo é desafio urgente para Ceará; dados explicam desempenho

Alvinegro tem a 3ª pior defesa do Brasileirão e perdeu consistência de marcação entre o meio-campo e a zaga. A busca pelo equilíbrio entre os setores é um dos desafios de Guto Ferreira no restante da competição

Legenda: O volantes do Ceará tem caído de rendimento e desarmado menos em sua linha de campo
Foto: Camila Lima

A instabilidade na organização da defesa do Ceará se tornou preocupação recorrente nesta Série A do Campeonato Brasileiro. Já foram 11 gols tomados nas últimas quatro partidas em todas as competições. O time cearense figura como a 3ª pior defesa da Série A (32 gols), atrás somente de Bahia (34) e do lanterna Goiás (34), que tem dois confrontos a menos.

Ouça o podcast 'CearáCast'

Powered by RedCircle

A última vez que o Vovô levou um mínimo de dois gols por jogo em três partidas seguidas foi em janeiro de 2018: vitória por 5 a 2 contra o Guarany de Sobral e derrotas por 2 a 1 para o Iguatu e 3 a 1 diante do Floresta, todos pelo Campeonato Cearense.

Neste Brasileirão, o Alvinegro é quem menos recupera a bola em sua intermediária defensiva (cerca de 17 metros à frente da área). A zona é responsabilidade principal dos volantes, que caíram muito de produção ao longo da temporada.

As estatísticas foram reunidas pelo departamento de análise de dados do Footure, site especializado em estudos sobre o futebol, com base nos números da plataforma Wyscout. A amostra é referente ao 1º turno da Série A.

Avançar as linhas de marcação para a faixa central do campo é tática frequente do técnico Guto Ferreira e que rendeu grandes exibições do Ceará neste ano, mas que tem deixado uma lacuna entre a zaga e o meio-campo durante a retomada da posse. Sem William Oliveira, ainda no departamento médico, o treinador conta apenas com Fabinho, Ricardinho, Kelvyn e Charles para a posição de volante. Este último perdeu o dinamismo marcante nos últimos meses, consequência do desgaste físico e mental pela maratona de jogos.

Marthã, reforço para o setor desde janeiro, não vem sendo relacionado e integra hoje o time de aspirantes. Guto tem optado nos últimos jogos por Fernando Sobral deslocado do lado direito para o meio como recurso defensivo e de distribuição sem mexer tanto no sistema. "As equipes que eu monto não costumam ser tão vazadas. Por isso que temos que estruturar a nossa equipe para ter uma defesa mais coesa", analisou Guto Ferreira.

Legenda: Fabinho, junto com Charles, é um dos jogadores que mais atuaram na Série A
Foto: Vítor Silva/ Botafogo

Alerta ligado

O cenário problemático na defesa é o mesmo de 2011, quando o Ceará caiu para a Série B: após 21 rodadas, as redes foram vazadas 32 vezes. Na temporada passada, foram apenas 21 neste mesmo período. Em 2018, foram somente 24 gols levados.

O duelo diante do São Paulo nesta quarta-feira (25), às 19h15, é prova de fogo para o Vovô. O Tricolor paulista não perde há sete partidas e possui a melhor defesa (18) da Série A. No Castelão, a meta alvinegra é vencer para se afastar do Z4. O Alvinegro está apenas um ponto da zona de rebaixamento na Série A do Brasileiro.

"Mais uma partida contra um postulante ao título e isso por si só já indica o grau de dificuldade do confronto. A vitória para nós é fundamental pois precisamos subir na classificação, mas temos que saber jogar contra um time que vive uma grande fase", declarou o zagueiro alvinegro, Eduardo Brock.

Quero receber conteúdos exclusivos de esporte