Renan Dal Zotto aposta na renovação para manter Brasil no auge

Em entrevista ao Diário do Nordeste, o técnico da Seleção Brasileira Masculina de Vôlei, que está em Fortaleza neste fim de semana, analisou participação na Liga das Nações e disse que o foco se volta totalmente para a Olimpíada agora

Legenda: Renan Dal Zotto comentou sobre a renovação da seleção brasileira masculina de vôlei
Foto: FOTO: WILLIAM LUCAS/INOVAFOTO/CBV

Em passagem por Fortaleza, de férias, neste fim de semana, o técnico da Seleção Brasileira Masculina de Vôlei, Renan Dal Zotto, exaltou a renovação do esporte no Brasil e disse que é necessário "correr alguns riscos" para manter a longevidade no cenário internacional. Ele concedeu entrevista em uma academia da Capital cearense, durante uma visita para conhecer o local.

"Este ano, na VNL (Liga das Nações de Vôlei, sigla em inglês), nós tínhamos, durante toda a competição, exatamente 50% de garotos que estavam colocando a camisa da Seleção Brasileira pela primeira vez. E é importante ressaltar isso. Porque a gente se preocupa sim, com títulos, chegar sempre entre os primeiros, mas temos que nos preocupar com a renovação. Então, deixamos em casa jogadores consagrados, que fizeram uma excelente Superliga, para poder abrir espaço para novos talentos. São situações nas quais precisamos correr riscos para manter a longevidade e o sucesso do voleibol", analisou Renan.

O Brasil vem de um 4º lugar na Liga das Nações, competição que substitui a Liga Mundial de Vôlei e que também será anual. De fato, a equipe foi jogar o torneio bem reformulada. Enquanto alguns veteranos permaneceram, como o ponteiro Lucarelli, o levantador Bruninho e o central Lucão, Dal Zotto chamou novidades, caso do levantador Leal, cubano que se naturalizou brasileiro.

"O nosso objetivo era o pódio. Fomos com isso na cabeça de vencer. Mas na semifinal nós vencíamos por 2 a 1 os Estados Unidos e acabamos perdendo por 3 a 2. Mas no esporte, mesmo na derrota, você ganha, desde que tire os devidos aprendizados. E há coisas que a gente precisa melhorar, dar mais foco", pontuou.

Olimpíadas

Para o treinador, o foco muda completamente agora. No início de agosto, o Brasil já terá pela frente a primeira chance de garantir vaga nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. Entre os dias 9 a 11, na Bulgária, será disputado o 1º Pré-Olímpico. E só a equipe campeã garante vaga.

"Se caso não classificar, que o nosso objetivo maior é buscar a classificação agora, nós teremos um outro Pré-Olímpico, em janeiro. O Brasil, em qualquer competição, é percebido como uma das forças do vôlei mundial".

Egito, Bulgária e Porto Rico serão os adversários brasileiros pela vaga olímpica.


Categorias Relacionadas