Presidente do Fortaleza diz que venda de Cebolinha "salvou" o clube

Marcelo Paz admitiu que sem o R$ 4,5 milhões que o clube ficou da venda de Cebolinha para o Benfica, os salários estariam atrasados

Legenda: O presidente Marcelo Paz participou de live com perguntas da torcida do Fortaleza
Foto: FABIANE DE PAULA

Em live realizada pelo canal oficial do Fortaleza na noite desta terça-feira (19), o presidente do clube, Marcelo Paz, afirmou que o dinheiro da venda de Everton Cebolinha para o Benfica/POR, salvou o Tricolor de Aço e negou que os salários dos jogadores estejam atrasados. 

"O dinheiro do Cebolinha salvou o Fortaleza. Se não fosse o dinheiro do Cebolinha estaríamos com o salário atrasado mesmo. Bastante atrasado. Foi uma benção, todo ano queríamos que o Cebolinha fosse vendido. Tiveram muitas oportunidades, como no fim da Copa América e ficamos esperando. Mas Deus é tão bom, que deixou para vender na hora que mais precisavamos. O dinheiro da venda dele foi usado para quitar débitos, pagar salarios, trazer o clube até aqui com uma realidade boa comparada aos outros clubes".

A diretoria do Fortaleza recebeu R$ 10 milhões no dia 1º de outubro de 2020 pela transferência do atacante cearense ao Benfica, de Portugal. O dinheiro foi repassado pelo Grêmio, responsável por encaminhar a venda do atleta.

A negociação envolveu montante de 20 milhões de euros (R$ 127,6 milhões). Do total, o Leão recebeu próximo de R$ 10 milhões e ficou com cerca de R$ 4,5 mi. O restante foi usado para custear dívidas e acordos com ex-diretores do time como o senador Luís Eduardo Girão, ex-presidente do clube. Na época, o gestor realizou aporte de R$ 6,7 mi para auxiliar em despesas durante a Série C do Brasileiro, em 2017.

Salários atrasados

A exigente torcida leonina sabatinou o presidente do Fortaleza na live e Marcelo Paz não fugiu das perguntas. Um dos temas mais recorrentes foi o atraso de salário no clube, mas o mandatário leonino negou.

"Salário atrasado? Não é. Clube perdeu R$ 25 milhões com a pandemia e o sócio torcedor saiu 42%. O problema não é salário atrasado. E o "bicho" está acertado. Por vitória e por objetivos. E pagamos o bicho "molhado" que é pago no vestiário".

Quero receber conteúdos exclusivos de esporte