Ceará e Fortaleza terão treinos individualizados por ao menos 15 dias

Em nova pré-temporada, protocolo dos clubes só prevê atividades coletivas a partir de etapas mais avançadas. No momento, foco é em condicionamento físico dos atletas, sem treino em campo por mais de dois meses

Legenda: No Ceará, mudança nos treinos só após cerca de 15 dias de atividades
Foto: Felipe Santos/Cearasc.com

A volta aos treinamentos requer cautela e cuidados. Nesta semana, os jogadores de Ceará e Fortaleza já retomaram as atividades, mas de forma bem diferente. E essa será a tendência no "novo normal" do futebol. Tanto é que os dois clubes terão treinos individualizados por, ao menos, três semanas e a previsão é que atividades coletivas só ocorram a partir de etapas mais avançadas.

Os dois clubes estão, hoje, na Fase 1 de volta aos treinamentos, que consiste em trabalhos individualizados em horários distintos e grupos separados, com exercícios basicamente voltados para a parte física.

No Alvinegro de Porangabuçu, já são 20 atletas treinando. Eles estão divididos em grupos menores, de quatro jogadores, que trabalham em partes separadas do campo e respeitando distanciamento físico. Já são feitos trabalhos mais efetivos com bola e com aspectos cognitivos importantes do jogo, com exercícios em campo, de orientação espacial/temporal, posicionamento e etc.

Não há tempo determinado para quanto esta etapa deverá durar, mas a previsão é que haja ao menos duas semanas até que evolua para a segunda fase do protocolo, que terá grupos maiores, de oito atletas juntos, com ênfase em mini-jogos. No terceiro passo haverá a junção dos grupos, tendo 18 jogadores em cada grupo e treinando em períodos diferentes, manhã e tarde.

No quarto e último passo desta fase, o elenco volta a treinar junto no mesmo período. Quando essa etapa acontecer, haverá o máximo possível de medidas protetivas e cuidados com a saúde.

"Vivemos um momento totalmente diferente, atípico, no qual temos que nos adaptar. Inclusive, com os tipos de treino, metodologias de trabalho, ainda dentro de uma adaptação ao campo, na qual os atletas ficaram praticamente 70 dias sem contato com o campo. Então esse primeiro momento vai se dar de maneira mais individualizada. Num segundo estágio, à medida que a gente vai evoluindo e o processo da pandemia for permitindo, a gente vai trabalhando o conjunto", destacou o técnico Guto Ferreira, que ontem acompanhou, pela primeira vez, um treinamento em Porangabuçu.

Legenda: Treinos no Fortaleza seguem individuzlizados
Foto: Bruno Oliveira/FortalezaEC

Rotina tricolor

No Fortaleza não tem sido muito diferente. Seguindo o plano de ação estabelecido em protocolo, criado pelo departamento médico do clube, os primeiros dias são somente com treinos físicos, sob comando do preparador Danilo Augusto e acompanhamento dos preparadores Émerson Santana e Celso Santos.

No campo, o elenco foi dividido em dois grupos grandes de 12 jogadores, que chega ao CT Ribamar Bezerra em momentos diferentes, e são sub-divididos em grupos menores, de seis atletas.

Eles trabalham de maneira simultânea, mas em campos diferentes, mantendo distanciamento e não havendo contato com jogadores de outros grupos.

O clube disponibiliza dentro do campo e também nos arredores álcool gel, materiais individualizados e toda estrutura para que não haja contatos próximos.

No Leão, também não há previsão de quanto tempo a Fase 1 irá durar, mas há a expectativa que seja em torno de duas semanas, para que, então, possa haver trabalhos específicos com bola em grupos maiores. O segundo passo é que os grupos de seis jogadores sejam integrados, formando dois grandes grupos de 12 atletas, para que, na sequência, todos possam estar juntos.

"No campo, nós temos um plano que é novo. Não tínhamos atuado dessa maneira. A gente acredita que em torno de três a quatro semanas seria um período bom para termos uma condição inicial de jogo. Sabendo, claro, que para o atleta estar realmente apto para desenvolver o seu melhor em campo, ele necessita não apenas desse período de trabalho, mas também de alguns jogos. O ritmo de jogo. Ele precisa de estímulos reais para estar apto a desenvolver o seu melhor", destaca o preparador físico leonino, Danilo Augusto.

Jogos ainda sem data

Embora os times já estejam em pleno treinamento, a retomada do Campeonato Cearense, que ainda tem duas rodadas da fase classificatória e as semifinais e final a serem disputadas, está sem data oficialmente fechada.

Embora Vovô e Leão aprovem o reinício já no começo de julho, com todos os confrontos marcados para a Arena Castelão, as outras seis equipes não dão garantias de estarem prontas para entrar em campo.

O Ferroviário só voltará a treinar no dia 15 de junho. Ou seja, ainda há 11 dias de inatividade até chegar ao período de retorno das atividades.

Mas o cenário mais complicado se dá com Barbalha, Atlético, Caucaia, Guarany de Sobral e Pacajus, que vão precisar reestruturar seus elencos e trabalham com a data inicial prevista de 20 de julho, que seria o começo da 4ª fase do plano de reabertura gradual da economia no Estado.

Clubes, como o Caucaia, por exemplo, só pretendem treinar durante 10 dias antes de reestrear no Cearense.