"Já sei do que ele gosta", diz Bruno Pacheco sobre estilo de jogo do técnico Guto Ferreira

Lateral esquerdo já foi treinado pelo novo comandante do Ceará na Chapecoense, em 2018

Legenda: "Esse tempo que a gente está em casa encurta para ter uma ideia mais ou menos do que o professor quer", contou o atleta
Foto: Foto: Thiago Gadelha/SVM

O novo técnico do Ceará, Guto Ferreira, está conversando com o elenco alvinegro de modo virtual durante a pandemia. Porém, o comandante já trabalhou com 10 jogadores do atual elenco, como o lateral Bruno Pacheco. O defensor esteve junto a Guto na Chapecoense em somente 12 jogos em 2018, mas afirma já ter conhecimento do que o treinador prefere dentro de campo.

"Eles arrumaram uma maneira de a gente estar conectado, de ter um controle maior das atividades dos jogadores. Tem alguns jogadores que não tiveram a oportunidade de trabalhar com o Guto. Esse tempo que a gente está em casa encurta para ter uma ideia mais ou menos do que o professor quer. Já sei mais ou menos do que ele gosta: um jogo muito pegado, mas também quando tiver a oportunidade de ir para a frente, ele dá essa total liberdade", revelou Bruno em coletiva online nesta segunda-feira (25).

Titular da lateral esquerda neste começo de temporada, o atleta de 28 anos vem atuando com segurança no setor defensivo, mas acredita que deve evoluir com o tempo.

"Jogador depende de período de adaptação e a gente teve pouco tempo de trabalho. Antes dessa parada, eu e todo elenco estávamos evoluindo. É claro que eu vou falar para você que eu não estou satisfeito, mas é um processo de evolução. Jogador vai procurar evoluir a cada dia e eu sou um cara que me cobro muito. Eu sempre vou procurar evoluir. Como falei na minha primeira coletiva: aos poucos, vocês iriam conhecer o Bruno Pacheco", contou o jogador.

Durante a paralisação dos esportes devido ao isolamento social pelo novo coronavírus, os clubes de futebol enfrentam situação delicada no lado financeiro. A última partida do Vovô neste ano foi há mais de 2 meses, no dia 15 de março, já com uma Arena Castelão sem torcidas.

Os salários do mês de maio dos jogadores e da comissão técnica foram reduzidos em 25%, medida que pode se repetir em junho. Entretanto, Bruno afirma que o Ceará não deixou de pagar o elenco em dia.

"Clube muito organizado, é claro que passa dificuldades também, mas está tudo em dia. Você vê aí vários clubes que tiveram que dispensar jogadores, isso é triste para o futebol, mas as equipes não têm de onde tirar. Muitas vezes, a gente quer que o futebol volte o mais rápido possível por causa disso, porque tem pais de família que dependem daquele dinheiro mensalmente e não acontece", disse Bruno.