Guto Ferreira elogia Saulo e Jael, analisa estratégia contra Bolívar e afirma: "fomos felizes"

Comandante alvinegro concedeu entrevista pós-vitória diante do Bolívar pela Copa Sul-Americana

Foto: Thiago Gadelha/SVM

A vitória diante do Bolívar, na Arena Castelão, por 2 a 0, na noite desta quinta-feira (20) fez o Ceará reassumir a liderança do Grupo C da Copa Sul-Americana, com 9 pontos. Com o primeiro gol marcado na primeira etapa, a confirmação do resultado veio por meio de duas alterações do técnico Guto Ferreira: as entradas de Saulo Mineiro e Jael. Para o comandante alvinegro, são jogadores de características específicas e que trabalham muito no dia-a-dia pelo Vovô.

“São jogadores importantes, que trabalham muito. Por características específicas, o Jael é um jogador que tem qualidade de pivô e uma carreira de definidor de muito sucesso, trabalhando em grandes equipes, mais um trabalho importante no Ceará. O Saulo, um menino que está surgindo, veio de uma Série C no ano passado, uma potência explosiva em termos muscular, muito rápido e de muita força, que rompe defesa, e isso faz com que ele em determinados momentos da partida tenha vantagem sobre os adversários. Ele sabe usar bem aquilo que ele tem de melhor e quando usa, usa com qualidade e quando encaixa fatalmente ele marca.”

Vivendo uma frenética maratona de jogos, Guto Ferreira analisou o momento do Ceará nas competições que disputa nestes primeiros meses da temporada 2021.

“Para cada momento um tipo de pensamento e uma equipe a ser usada para cada instante, em cada estágio. Importante que todos vão recebendo oportunidade, todos se sentem importante e acontece o que vem acontecendo. Mesmo precisando sempre da vitória, só a vitória interessando, vem conseguindo galgar degraus e ultrapassar etapas. Nós temos mais uma final domingo nas mesmas condições.”
Guto Ferreira
Técnico do Ceará

O duelo travado diante do Bolívar foi bastante tático na visão de Guto Ferreira. O comandante alvinegro comentou sobre os duelos do Vovô na temporada 2021, mencionando os confrontos contra o próprio Bolívar, fora de casa, e o Arsenal de Sarandí, no empate em 0 a 0 na semana passada.

“Acho que nossa equipe até antes da final da Copa do Nordeste vinha fazendo grandes partidas, todas as partidas que nós jogamos da Sul-Americana em nenhuma delas nós tivemos um nível baixo. Nós tivemos dois empates fora de casa (Bolívar – fora – e Arsenal de Sarandí – casa), contra duas equipes parecidas, na proposta de jogo, na intensidade de marcação, o Sarandí é uma equipe que marca muito e o Bolívar é uma equipe mais técnica, que não marca tanto como o Arsenal. E hoje tudo ocorreu bem, a gente sempre respeitando muito o adversário, procuramos ler as virtudes e deficiências e brecar da melhor maneira possível, e fomos felizes marcando os gols.”

Assista à coletiva na íntegra:

Quero receber conteúdos exclusivos de esporte